Defensoria Pública vai recomendar ao MEC a anulação do Enem

Órgão divulgou e-mail para que candidatos prejudicados entrem em contato

Rafael Moraes Moura,

08 Novembro 2010 | 13h24

A Defensoria Pública da União (DPU) vai recomendar nesta segunda-feira (8) ao Ministério da Educação que seja anulada a prova de sábado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Caso o governo não atenda à recomendação em um prazo de 10 dias, a DPU deve entrar com uma ação civil coletiva na Justiça Federal contra a União, fazendo a mesma solicitação.

Veja também:

linkComissão do Senado vai discutir problemas no Enem

linkHaddad desiste de viagem com Lula por problemas com Enem

linkManutenção de sigilo impediu revisão de provas, diz gráfica

linkProva amarela deverá ser aplicada em 27 de novembro ou 4 de dezembro

linkTwitteiros alegam colar durante a prova

linkLeia outras notícias sobre o Enem no blog do .Edu

linkFalhas no Enem: Saiba como defender seus direitos

linkDefensoria vai pedir ao MEC que dê a possibilidade de vista das provas

especialINFOGRÁFICO - Veja como as universidades vão utilizar a nota

videoVÍDEO - Professores corrigem os dois dias de prova

Para o defensor público federal Ricardo Emílio Salviano, a solução encontrada pelo MEC – de aplicar outra prova para os candidatos prejudicados pelos erros no caderno amarelo – não é satisfatória. “Se você vai aplicar uma prova com questões distintas para os demais candidatos, você poderia estar distorcendo o grau de exigência, vai aferir um grupo com uma medida e outro grupo com outra prova, que pode não ter o mesmo grau de dificuldade”, comentou.

Correção invertida. O presidente do Inep, Joaquim José Soares Neto, anunciou que o órgão vai disponibilizar a partir da próxima quarta-feira a página online para os estudantes pedirem a correção invertida das provas do sábado por causa da troca do cabeçalho do cartão-resposta. O prazo para o preenchimento do requerimento vai até o dia 16 de novembro, segundo ele.

Para Salviano, a medida é insuficiente. “A simples inversão da correção da prova de uma por outra não é suficiente para sanar as irregularidades, tendo em vista que foi quebrado o princípio da isonomia dos candidatos”, disse. “Não vejo outra alternativa a não ser a anulação das provas de sábado.”

Na opinião do defensor público federal, a falha na prova de domingo foi “pontual”, o que não justificaria a sua anulação. “(Sobre) A prova do domingo, não tivemos conhecimento, relatos na defensoria, mas conhecimento pela imprensa, de que houve candidatos divulgando o tema da redação, mas entendemos que essa falha foi pontual, e não deve ser atribuída ao Inep”, disse.

Apesar de todos os problemas verificados nesta edição do Enem, e na do ano passado, o exame não perdeu a credibilidade, avalia Salviano. “O Enem é um projeto que está sendo implantado, que passa por ajustes. É uma medida eficaz, que auxilia os candidatos no ingresso ao ensino superior e que deve ser mantida pelo MEC.”

Os alunos que se sentiram prejudicados com as falhas do Enem 2010 podem entrar em contato com a DPU pelo email enem2010@dpu.gov.br. As informações podem ajudar a defensoria, caso o órgão entre com uma ação coletiva na Justiça Federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.