Defensoria pede na Justiça para ver prova de candidata do Enem

No boletim da estudante não aparecem as notas das provas de linguagens e códigos e de matemática e a redação consta como anulada

Felipe Mortara e Carlos Lordelo, Estadão.edu

18 Janeiro 2011 | 16h15

A defensora pública federal Beatriz Lancia Noronha de Oliveira ingressou na tarde desta terça-feira, 17, com ação na Justiça Federal em São Paulo para pedir vistas das folhas de respostas de uma candidata do Enem 2010. No boletim da estudante Renata Galvão, de 18 anos, tem um traço no lugar das notas das provas de linguagens e códigos e de matemática, e sua redação aparece como anulada. É como se ela não tivesse comparecido para fazer o exame no segundo dia de aplicação - 7 de novembro.

 

Renata procurou a Defensoria Pública da União (DPU) e relatou o problema. "Quero analisar a folha de respostas e a redação o mais rápido possível. Se realmente houver um erro por parte do MEC, vou pedir recorreção da prova e reserva da vaga da Renata na universidade que ela pretende estudar", disse a defensora ao Estadão.edu, antes de ir pessoalmente à Justiça Federal.

 

"Tenho certeza que preenchi tudo certinho", afirma Renata, candidata a uma vaga em Economia na Universidade Federal do ABC (UFABC) ou na de São Carlos (UFSCar). Muitos vestibulandos relatam o mesmo problema desde que os resultados do Enem foram divulgados, na sexta-feira. A redação anulada não permite que esses estudantes se inscrevam no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que encerra às 23h59 do dia 20.

 

Segundo a defensora Beatriz Oliveira, a DPU em São Paulo ainda não estuda a possibilidade de ingressar com ação civil pública (ACP) contra o MEC. Na tarde desta terça-feira, a DPU no Ceará protocolou uma ACP com pedido de liminar para que as inscrições no Sisu sejam suspensas até que os candidatos do Enem 2010 tenham acesso ao espelho da correção da folha de respostas e aos argumentos da banca examinadora da redação.

 

"É possível que ingressemos com uma ação civil pública aqui também. Tenho visto várias reclamações de candidatos, inclusive de estudantes que não conseguem acessar o Sisu", disse Beatriz.

 

A DPU atende a pessoas com renda familiar de até R$ 1.500,00. Em São Paulo, a sede fica na Rua Fernando de Albuquerque, 155, Bela Vista. O horário de atendimento é das 8h30 às 10h30.

 

Leia também:

 

- Saiba como proceder se não conseguiu se inscrever no Sisu

 

Atualizada às 21h08 para acréscimo de informações

Mais conteúdo sobre:
DefensoriaDPUEnem 2010Sisu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.