Decisão de expulsar Geisy Arruda será apurada pelo MPF

Promotoria irá investigar se aluna teve direito a defesa e se universidade agiu de forma discriminatória

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

10 Novembro 2009 | 08h23

O Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo instaurou na segunda-feira, 9, um inquérito civil público para apurar as circunstâncias que levaram a Universidade Bandeirante de São Paulo (Uniban) a expulsar a aluna Geisy Arruda do curso de turismo do campus São Bernardo do Campo, no Grande ABC paulista. No último dia 22 de outubro, a estudante foi hostilizada e xingada por um grande número de estudantes da universidade por estar usando um vestido curto.

 

Veja também:

link Reitor da Uniban revoga expulsão de Geisy Arruda

link Alunos vaiam manifestação

link Expulsão de Geisy transforma Uniban em alvo na internet

link Secretaria da Mulher cobrará explicação da universidade

blog Opine sobre a expulsão

 

De acordo com o procurador regional dos Direitos do Cidadão em São Paulo, Jefferson Aparecido Dias, o objetivo é investigar se foi adotado o devido processo legal e respeitados os princípios do contraditório e da ampla defesa e, também, se a Uniban agiu de forma discriminadora.

A medida também serve para assegurar o direito de defesa da estudante. Dias, que conduz a investigação, explicou que o inquérito foi instaurado depois que a mídia divulgou que a aluna acabou sendo expulsa da universidade sem poder se defender.

"O que se espera de uma universidade é que ela tenha condições de formar cidadãos. No presente caso, é bastante preocupante a postura da Uniban, que pode indicar que ela não está preocupada com essa formação integral. Além disso, aparentemente, a vítima foi transformada em 'culpada' sem que tivesse a condição de expor a sua versão dos fatos", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.