Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

DEBATE: USP acerta ao adotar reserva de vagas no vestibular?

Leia a opinião de um especialista favorável à decisão da universidade e outra de um contrário e deixe seu voto

O Estado de S. Paulo

05 de julho de 2017 | 03h00

Pela primeira vez na história, a Universidade de São Paulo (USP) terá cotas no vestibular para alunos de escola pública e pretos, pardos e indígenas (PPI) em todos os cursos. A meta é ter 50% de calouros da rede pública até 2021 e, dentro desse grupo, ter 37% de estudantes PPI. A decisão já vale para o próximo processo seletivo. 

A USP acerta ao adotar reserva de vagas no vestibular? Veja abaixo a opinião de especialistas:

Sim. Estava mais do que na hora de a USP ter cotas. As federais as têm há muito tempo. O formato escalonado foi positivo, já que as reservas valerão para todos os cursos e não para a USP como um todo, senão haveria risco de alguns cursos ter muitos cotistas e outros não. Com as cotas, privilegia-se o verdadeiro mérito, que leva em conta de onde se parte. O País é muito desigual, então há pessoas que saem de posição em vantagem. Se têm êxito, não é totalmente por mérito delas, mas por essa vantagem. (Renato Janine Ribeiro, professor da USP, ex-ministro da Educação)

Não. Essa não é a melhor solução. É um caminho político. Tentam solucionar um problema grave, ainda que com a melhor das intenções, mas sem pensar nos problemas que se pode ter a longo prazo. As universidades estão fazendo movimentos para responder a demandas políticas, muito mais do que acadêmicas. As melhores universidades do mundo gastam energia enorme para selecionar os melhores e, com a cota, você viola isso. É preciso melhorar o padrão da escola pública. Hoje não se forma com qualidade. (Leandro Tessler, professor da Unicamp)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.