Unicamp/Divulgação
Unicamp/Divulgação

DCE quer discutir polícia comunitária também na Unicamp

Secretaria da Segurança Pública do Estado propõe estender ao local modelo de policiamento que está em desenvolvimento na USP

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

27 Julho 2015 | 20h03

SOROCABA - O Diretório Central dos Estudantes (DCE) quer discutir a proposta do governo estadual de criação de um policiamento comunitário também na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). "Não houve até agora qualquer contato com os estudantes e queremos participar dessa discussão", disse nesta segunda-feira, 27, o coordenador geral do DCE da universidade, Cristovan Grazina. A proposta da Secretaria da Segurança Pública do Estado é estender à Unicamp um modelo de policiamento que está sendo desenvolvido para a Universidade de São Paulo (USP).

Inspirado num sistema adotado no Japão, o modelo prevê o policiamento do câmpus por um efetivo fixo da Polícia Militar, especialmente treinado para as atividades universitárias. De acordo com Grazina, a proposta enfrenta resistência entre os estudantes. "Não queremos uma polícia diferente para nós, queremos uma polícia mais humanizada e bem treinada para toda a sociedade", disse.

Segundo ele, o movimento estudantil é crítico do atual modelo de polícia "militarizada e autoritária", mas está disposto a debater a segurança. "Queremos participar da discussão e colaborar, mas ainda não fomos procurados", disse.

A presença de policiais militares em universidades públicas de São Paulo enfrenta resistência de grupos acadêmicos. Na Unicamp, estudantes ocuparam a reitoria por duas semanas, em 2013, em protesto contra a atuação da PM. O ato ocorreu após a morte do estudante Denis Casagrande, de 21 anos, durante uma festa na universidade. Desde essa época, os alunos defendem um policiamento formado por uma guarda universitária formada por funcionários concursados.

A Secretaria da Segurança Pública informou que o modelo de policiamento comunitária ainda é objeto de discussão e não há prazo para ser adotado na Unicamp.

Mais conteúdo sobre:
Unicamp polícia comunitária

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.