Da rede pública ao 1º lugar da Fuvest

O médico Rafael Marcondes Gonçalves Leite, de 31 anos, foi o primeiro colocado na Fuvest 2007 em Medicina. No mesmo ano em que foi aprovado, se formou em Farmácia, também pela Universidade de São Paulo (USP). 

Bárbara Ferreira Santos, de O Estado de S. Paulo,

24 Setembro 2013 | 08h39

 

Leite sempre estudou em escola pública. Fez o ensino médio na Escola Estadual Doutor Carlos Augusto de Freitas Villalva Júnior, no Jabaquara, na zona sul de São Paulo. “Não era o tipo de aluno inteligente, com Q.I. alto, mas me esforcei muito.” 

 

Antes de ser aprovado em Farmácia, ele fez um ano de cursinho, no Objetivo. Ainda na primeira graduação, chegou a fazer estágios em grandes indústrias, como a farmacêutica Medley, mas descobriu que queria mudar de profissão para atender as pessoas que precisavam de ajuda. Ele conta que a irmã mais velha, médica formada na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), foi uma das grandes inspirações para a mudança de carreira. 

 

Nos três últimos anos do curso de Farmácia, Leite prestou vestibular para Medicina. No primeiro, sem estudar, passou para a segunda fase. No segundo, não passou por poucos pontos - ficou entre os 200 primeiros colocados.

 

“Aí tive certeza de que deixar de trabalhar para estudar para o vestibular valia a pena”, diz. No último ano, voltou para o cursinho e conquistou o primeiro lugar na graduação que almejava. 

“Se eu não tivesse passado naquele ano, teria desistido, porque não ia ter coragem de ficar sem trabalhar por mais tempo”, explica. 

 

Ele terminou a segunda graduação em 2012 e, neste ano, começou a residência em Oftalmologia no Hospital das Clínicas. No entanto, precisou trancá-la porque foi convocado para servir o Exército, como médico. 

 

Para quem quer cursar Medicina, Leite aconselha: tem de estudar e acreditar que cada questão pode definir a entrada no curso. “É um sonho possível até mesmo para quem faz escola pública”, conta o médico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.