WILSON PEDROSA/ESTADÃO
WILSON PEDROSA/ESTADÃO

Custo do Enem é de R$ 46 por candidato

Estatísticas sobre o exame foram apresentadas por Mercadante nesta 6ª-feira, véspera da prova

Estadão.edu,

02 Novembro 2012 | 12h51

O custo do Enem 2012 é de aproximadamente R$ 46 por candidato, informou o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, nesta sexta-feira, 2, durante coletiva de imprensa em Brasília. Ele apresentou estatísticas sobre o exame, que será aplicado amanhã e domingo em todo o País para 5,7 milhões de estudantes.

"É um custo muito pequeno para a oportunidade que estamos dando aos brasileiros de chegar à universidade de forma democrática e republicana", afirmou o ministro. Para ele, o Enem é um instrumento para reduzir a desigualdade social no País. "A raiz da desigualdade está na sala de aula, na qualidade da formação, na diplomação ou não da população."

Mercadante disse que todas as provas foram distribuídas "sem nenhum tipo de incidente". "Elas estão próximas aos locais de aplicação", completou. Segundo o ministro, este ano o governo triplicou o número de itens que devem ser checados para garantir a segurança da realização das provas. "Tudo ocorreu como nós planejamos até este momento. Estamos em um ambiente de muita tranquilidade e segurança."

Uma das novidades deste ano é a adoção de lacres eletrônicos em 25% dos malotes de provas. O dispositivo marca os horários em que os envelopes foram fechados na gráfica e em que serão abertos neste fim de semana. "Os lacres foram testados em outras avaliações que aplicamos para verificarmos sua eficiência e potencial (de uso)."

Acompanhado de Luiz Cláudio Costa, presidente do órgão responsável pelo exame, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Mercadante disse que a equipe da pasta está monitorando todos os riscos que o processo de aplicação exige, entre eles o de apagões. "Todas as empresas de energia estão de plantão neste fim de semana (para garantir que tudo dê certo)", pontuou o ministro. "Os estudantes podem ficar tranquilos. Temos segurança de que eles farão as provas nas melhores condições."

As mulheres (3,4 milhões) ultrapassaram os homens (2,3 milhões) no número de inscritos. O Sudeste lidera as inscrições (2,1 milhões), seguido do Nordeste (1,8 milhão), Sul (732 mil), Norte (R$ 590 mil) e Centro-Oeste (R$ 522 mil). A maioria (4 milhões) alegou não ter dinheiro para pagar a inscrição. Um milhão de estudantes pagou uma taxa de R$ 35, o que diminuiu o gasto do governo na realização das provas.

Horário de verão

O ministro pediu aos candidatos que aproveitem esta sexta-feira para conhecer o trajeto até o local de prova e prestem atenção ao horário de início do exame: 13h, no horário de Brasília.

Recomenda-se aos inscritos que cheguem aos locais de prova com uma hora de antecedência. Para aqueles que farão as provas no Distrito Federal ou em Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins, os portões serão abertos ao meio-dia e fechados às 13h.

No Nordeste e nos Estados do Amapá e Pará, os portões serão abertos às 11h e fechados às 12h do horário local. No Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima, Estados que agora estão duas horas atrás em relação a Brasília, os portões ficarão abertos das 10h às 11h.

A Bahia, que em 2011 foi incluída no horário de verão, este ano não integra mais o grupo de Estados que adiantaram o relógio em uma hora.

Cotas

Mercadante lembrou ainda que cerca de 90% das vagas das universidades federais serão preenchidas pelo Enem. Segundo ele, todas as instituições já receberam um "algoritmo" para calcular o número de cadeiras que deverá ser reservado para os cotistas.

No próximo ano, pelo menos 12,5% das vagas das federais deverão ser separadas para alunos de escolas públicas cuja renda familiar per capita seja igual ou inferior a 1,5 salário mínimo e para quem se declarar preto, pardo ou indígena. "O estudante que não entrar pela cota da escola pública estará automaticamente inscrito na concorrência geral", esclareceu o ministro.

Redação

Outro ponto de destaque na entrevista coletiva foi a correção da redação. Mercadante lembrou que a pasta reduziu de 300 para 200 pontos o critério de discrepância que levará o texto a ser corrigido por uma terceira pessoa. O número de corretores contratados cresceu 40%. "Treinamos eles intensamente antes da prova", disse o ministro. "O filtro na redação é hoje muito mais refinado, para dar segurança ao estudante (quanto à correção)."

Os gabaritos das provas objetivas (Ciências Humanas, Ciências da Natureza, Linguagens e Códigos e matemática) deverão ser divulgados na quarta-feira, 8. As notas dos candidatos estão previstas para sair em 28 de dezembro.

 

"Espero fazer um bom Enem e continuar no MEC", afirmou Mercadante, bem-humorado, ao fim da entrevista. / COLABOROU LEONÊNCIO NOSSA, DE O ESTADO DE S. PAULO

 

* Atualizada e corrigida às 19h. O gabarito deve ser divulgado na quarta-feira, 7

Mais conteúdo sobre:
Enem Aloizio Mercadante MEC

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.