Cursos novos, para quem sabe o que quer

Um curso interdisciplinar e um estudante que sabe o que quer. Essa é a mais nova receita das universidades para formar profissionais modernos. Prova disso são os recém-criados cursos que permeiam, ao mesmo tempo, áreas como Medicina, Direito e Administração, com a intenção de preparar o aluno para trabalhar em um nicho bem específico do mercado. ?A gente tem o filé mignon de cada uma das matérias?, conta o calouro do curso de Relações Internacionais da Universidade de São Paulo (USP), Ricardo Iwamoto, de 19 anos. Professores das unidades de História, Direito e Economia ministram aulas para as únicas duas classes do curso, que começou neste ano e já teve uma das maiores relações candidato-vaga do vestibular. ?Eu sempre pensei que precisaria fazer Direito e depois me especializar em Direito Internacional?, diz o colega de Ricardo, Juliano Deliberador. Deixar de lado os cursos generalistas e trazer a especialização para a graduação. É no que acredita o diretor da Faculdade de Filosofia da USP de Ribeirão Preto, Oswaldo Batta Filho. A unidade criou neste ano dois cursos inéditos no País: Informática Biomédica e Ciência da Informação e da Documentação. Esse último pretende formar um especialista em informações e pesquisas, ou seja, a evolução do bibliotecário. Os três focos serão a educação, a gestão em saúde e o agronegócio e para isso os estudantes passarão pelas faculdades de Administração, Medicina e Pedagogia. ?O profissional poderá formular políticas públicas, colhendo dados para um programa de prevenção a determinada doença?, exemplifica. Em Informática Biomédica, o universitário terá 60% das disciplinas em áreas de exatas e o restante será ocupado com aulas de anatomia e fisiologia, entre outras. Um dos objetivos é formar o estudante para trabalhar em pesquisas de bioinformática, como genoma e proteoma. Outro campo de trabalho é o aperfeiçoamento do processamento de imagens e sinais de aparelhos hospitalares, como o raio X e a radiografia. Com características semelhantes, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) cria a modalidade de Física Médica. ?Há pelo menos falta de 500 profissionais dessa área nos hospitais de São Paulo?, diz o coordenador do vestibular, Leandro Tessler. Meio ambiente - Acompanhando a tendência brasileira de defesa de políticas ambientais, a Universidade Estadual Paulista (Unesp) criou Engenharia Ambiental na unidade de Rio Claro. Em 2003, será a vez dos cursos de Engenharia Industrial Madeireira e Turismo, com ênfase em Ecoturismo, ambos em câmpus novos da instituição. ?A universidade está sempre atrás do que a sociedade está pedindo?, diz o pró-reitor de Graduação da Unesp, Wilson Galhego Garcia. Além disso, a USP abre neste ano 30 vagas para Química Ambiental. Segundo o coordenador do curso, Mauro Bertotti, o estudante terá uma formação básica de química e depois partirá para estudos de geologia, legislação ambiental, microbiologia e ecologia. ?Quando começarmos a jogar esses profissionais no mercado vai aumentar mais a demanda?, diz. Nas universidades particulares surgem cursos com focos ainda mais direcionados, de profissões às vezes sem regulamentação, como Design e Programação de Games (Anhembi Morumbi) e Musicoterapia (UniFMU). ?Não é para vir para a faculdade achando que só vai brincar com jogos de computador?, diz a coordenadora da área de Design na Anhembi Morumbi, Mônica Moura. Segundo ela, o curso ? primeiro no Brasil com essa característica ? aborda a computação e a programação, além de pesquisa e criação de games. No primeiro vestibular, no meio do ano, a concorrência foi de quatro candidatos por vaga, mas a seleção continua e as aulas só começam em 2003. A consultora Karen Parodi, especialista em mercado de trabalho, lembra que é preciso analisar as perspectivas da profissão para daqui a cinco anos, quando o curso terminar. ?O estudante precisa ter muita certeza do que quer para ingressar em curso mais específico. Caso ele não se adapte à profissão, pode ficar mais difícil redirecionar a carreira.?

Agencia Estado,

04 de outubro de 2002 | 15h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.