Cursos de férias em escolas top de linha

Para aprender mais sobre cinema, que tal ter aulas no estúdio da Universal em Hollywood? Confira esta e outras opções em áreas como moda, gastronomia, arquitetura e medicina hi-tech

Carlos Lordelo e Cristiane Nascimento, Especial para o Estadão.edu,

27 Novembro 2012 | 01h24

 

 

Gastronomia

A relação que Tihare Marinho, de 23 anos, tinha com a gastronomia foi, por muito tempo, despretensiosa. Normalmente, a jovem formada em Relações Públicas pela Faap limitava-se a cozinhar para a família e amigos de vez em quando. “Tenho prazer ao preparar doces, vê-los prontos e sentir que as pessoas estão apreciando o que preparei”, afirma.

Após graduar-se, no entanto, Tihare enxergou em seu hobby também uma possibilidade de carreira. “Não desisti de RP, mas acho que posso trabalhar com as duas coisas, talvez na área de produção de grandes empresas.”

A predileção por chocolates e pães levou-a a escolher o curso de patisserie na francesa Le Cordon Bleu, em Paris, referência mundial. Nas aulas, teóricas e práticas, são abordados desde métodos de preparo de doces tradicionais, como macarons e mil-folhas, até técnicas mais elaboradas, como a de produção de esculturas de açúcar para decoração.

A escola oferece de cursos diários, mais específicos, como os de cozinha regional francesa, petits fours e sabores mediterrâneos, a programas de 9 meses – de patisserie, cozinha e panificação. / Cursos de  45 a 1 8.500 pela STB ou direto no site www.cordonbleu.edu

Arquitetura

Estudantes de Arquitetura do Mackenzie, Waleska Ambrosano e Rebeca Pak escolheram destinos diferentes para as últimas férias de julho, embora o objetivo tenha sido o mesmo: aprofundar os conhecimentos na área em que estão se formando.

Waleska, de 19 anos, foi a Londres, onde fez um curso de três semanas na Architectural Association School. “Desenvolvi mais a parte criativa. Na faculdade aprendo o lado técnico”, diz. “Já consigo expressar melhor minhas ideias nos projetos.”

A turma tinha cerca de 60 pessoas, a maioria arquitetos, estudantes ou interessados na profissão. Elas foram divididas em cinco grupos – cada um desenvolveu projetos baseados no tema do curso, que este ano foi Londres como sede das Olimpíadas e, em julho de 2013, será a relação da cidade com a água. Para participar do programa, é preciso ter algum certificado de proficiência em inglês. “Meu grupo trabalhou com a ideia de construções com vida útil breve.

Projetamos uma ciclovia desmontável”, diz Waleska.

Já Rebeca, de 20, optou por algo mais leve. Fez um curso de história da arte e arquitetura do Renascimento em Florença, na Itália, também com duração de três semanas. Tinha aulas teóricas (em inglês) e todo dia visitava alguma construção. “A cidade é incrível. Para quem gosta de arquitetura, não existe lugar igual”, afirma. / Curso na AA School por 1.660 libras (www.aaschool.ac.uk) e na Florence University of the Artes por 1,5 mil (www.fua.it)

Medicina

Como a tecnologia vai impactar o futuro da saúde e da medicina? É a esta pergunta que o curso FutureMed, da Singularity University, pretende responder. As inscrições para a terceira turma, com aulas entre 4 e 9 de fevereiro de 2013, já estão abertas. São oferecidas 85 vagas.

Os alunos ficam alojados em instalações da Nasa no Vale do Silício. As atividades incluem palestras, workshops, discussões em grupos e visitas a centros de inovação. A ideia é mostrar como a prática clínica e a indústria da saúde em geral serão moldadas por tecnologias que chegarão ao mercado esta década.

Quer um exemplo? Um aplicativo permite traçar o eletrocardiograma de uma pessoa e transmiti-lo via internet ao médico. Tudo o que o paciente precisa fazer é segurar a capa de um iPhone. Mais um: impressoras 3D reproduzem uma traqueia que depois pode receber um implante de células e ser introduzida em um paciente com tumor.

Os médicos Luis Losso e Raul Sturari Júnior, dois dos cinco brasileiros que participaram da última edição do curso, não têm outra palavra para descrevê-lo além de “espetacular”. / FutureMed por US$ 8,5 mil, via o site futuremed2020.com

 

 

Tecnologia

Henrique Holanda, de 23 anos, era ainda uma criança quando fez seu primeiro curso na área de tecnologia. Tinha 12 anos quando recebeu um certificado de webdesigner. Aos 15, fez um curso de high school na Nova Zelândia e, depois de terminar o ensino médio, voltou para a Oceania. Em Sydney, na Austrália, fez um curso preparatório para as universidades do país. Além de aulas voltadas aos exames de proficiência e admissão, o programa oferecia módulos optativos de linguagem específica. Henrique cursou o de TI. “O módulo foi primordial para a minha atuação no mercado internacional”, diz ele, dono de uma startup de tecnologia em Fortaleza. / Curso de inglês + aulas específicas para TI na Austrália, a partir de US$ 1.320 pela EF

Moda e design

Já pensou em estudar na mesma escola que formou o estilista Marc Jacobs? A fama do ex-aluno, hoje diretor artístico da Louis Vuitton, foi um dos fatores determinantes para a escolha de Bianca Barbato, de 18 anos, pelo curso de Fashion Design na Parsons School, de Nova York. “O curso foi maravilhoso”, diz. “A rigidez dos professores me trouxe uma evolução grande em áreas como as de desenhos e projetos.” Bianca gostou tanto da experiência que já se programa para fazer uma graduação na Parsons.

Outra escola bastante prestigiada entre os amantes de moda é o Istituto Marangoni, com unidades em Paris, Londres e Milão. A cidade italiana foi o destino escolhido por Gabriela Capelli, de 21, aluna de Design de Moda da Faap. Durante três semanas, a estudante dedicou-se ao curso de fashion advertising oferecido pela instituição. Ao longo das aulas, a jovem envolveu-se em um projeto e no fim teve de apresentar a campanha de um perfume que havia criado.

 

“Além do peso no currículo, ter contato com pessoas do mundo todo me fez perceber como a moda pode ser compreendida de diferentes formas, por diferentes culturas”, diz. / Parsons a partir de US$ 2 mil pela STB e Marangoni a partir de  3.500 pela CI

Cinema

A jornalista Renata Marucci, de 35 anos, realizou um sonho antigo ao participar, entre dezembro de 2011 e fevereiro de 2012, de um curso de cinema em Los Angeles. Conheceu sets de filmagens e teve aulas até nos estúdios da Universal em Hollywood, o que para ela foi um dos pontos altos do intercâmbio. “Gravamos na cidade cenográfica de Nova York”, diz. “Tem um Empire State Building por lá.”

Renata aprendeu a escrever roteiros, produzir, dirigir e editar curtas-metragens e videoclipes no curso da New York Film Academy. Para dar conta de tanta informação, a carga horária é puxada. Tinha dias em que a jornalista chegava à escola de manhã e saía depois da meia-noite.

“É inviável passear durante o curso. Quando você não está tendo aulas, está editando alguma coisa ou planejando as produções”, afirma Renata, que no projeto final fez um curta utilizando equipamentos da escola. Segundo ela, é imprescindível ter ao menos domínio intermediário do inglês para acompanhar o programa. “Além de montar roteiros, é preciso entrevistar atores e conversar com colegas de outros países.” / Curso de filmmaking (4 semanas) por US$ 3,3 mil em www.nyfa.edu

Mais conteúdo sobre:
cursos intercâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.