Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Há alternativa para estudar marketing político em curto prazo

Há de programas com duração de 15 horas/aula, distribuídas em cinco noites, até opções que se estendem por pouco mais de dois meses, num total de 30 horas/aula - custos de R$ 927 a R$ 1.240

Verônica Fraidenraich, Especial para o Estado

23 Fevereiro 2016 | 03h00

Os cursos de extensão na área político-eleitoral são recentes - surgiram, em geral, nos últimos seis anos - mas têm boa procura. Assim como as especializações, eles servem a quem busca atualização na área, por meio de ferramentas teóricas e práticas, só que em curto prazo de tempo. Há de programas com duração de 15 horas/aula, distribuídas em cinco noites, até opções que se estendem por pouco mais de dois meses, num total de 30 horas/aula. Os custos variam de R$ 927 a R$ 1.240.  

“Em momentos de crise e desemprego como agora, a busca por cursos de aprimoramento ou em campo diverso ao da profissão ganha importância vital para os alunos”, explica a coordenadora do curso de extensão em Marketing Político e Campanhas Eleitorais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Vera Chaia.

Ela explica que o programa curricular é dividido em dez aulas, organizado de maneira a fornecer uma visão geral do assunto. “O curso começa com a história do marketing político e passa por temas como o horário gratuito político-eleitoral, a construção da imagem do candidato, as redes sociais e até a parte operacional de organização de uma campanha.”

A instituição oferece a extensão no primeiro e no segundo semestre mas, a partir de agosto, há a intenção de substituí-la por uma pós com dois anos de duração. “O projeto está em processo de aprovação pela PUC, pois percebemos que existe uma grande necessidade por cursos nessa área.” 

Falta de mão de obra. A socióloga Lilian Tropardi, de 50 anos, que trabalha há 20 anos com pesquisas qualitativas e consultoria política, fez o programa da PUC em 2015 e diz estar satisfeita. “O curso é muito interessante porque dá uma noção ampla do assunto, sem ser superficial, e é voltado justamente a profissionais, técnicos e especialistas que trabalham na área.” Lilian explica que muitos de seus contratos são de fora de São Paulo, por causa da falta de mão de obra qualificada, principalmente em análise de pesquisas. “Daí a necessidade de me aprofundar no assunto.” 

Para Victor Trujillo, coordenador dos cursos de férias da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), em São Paulo, de fato, esse é um mercado que emprega muita gente. “O Brasil tem 5.570 municípios, portanto, neste ano teremos 5.570 eleições municipais e mais de dez mil campanhas a prefeito.”

A ESPM tem um programa voltado ao marketing eleitoral desde 2010, ofertado somente em anos de eleições, cuja temática, neste ano, será Eleições em Tempos de Crise. “O curso está atualizado à luz da legislação eleitoral e comportamento dos eleitores e é importante ressaltar que o programa foca nas campanhas e não no marketing político, trabalho realizado após a posse.”

Uso da internet. A maioria dos cursos de extensão em Marketing Político e Eleitoral prevê aulas sobre administração de sites e redes sociais e há até programas focados exclusivamente no tema. Um deles é o de Gestão de Campanhas Políticas na Internet, da Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro (FGV-RJ). “Há um despreparo grande de quem trabalha na área digital”, afirma Luciana Salgado, professora responsável pelo curso.

Para ela, não adianta publicar texto de jornal nem releases de divulgação na internet. É preciso pensar em conteúdos próprios para o formato web.” Montar um miniplanejamento estratégico e pensar no posicionamento do site, para que seja facilmente encontrado pelas ferramentas de busca da web, são alguns dos aspectos a se levar em conta, segundo a professora. 

Luísa Belmonte, de 27 anos, é assessora de imprensa de um deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e se interessou pelo curso pois queria aprender mais sobre a gestão de redes sociais. “A força da internet é muito grande e gratuita e como assessora tenho que aprender a gerir e monitorar as informações que chegam por ali diariamente, prevenindo problemas e adiantando soluções.”

Ela não achou o curso barato, mas gostou do tempo curto das aulas, duas semanas. “Aprendi a necessidade de responder e interagir o mais rápido possível com o internauta, priorizando a qualidade das postagens e o atendimento personalizado a cada seguidor.”

Serviço

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Curso: Marketing Político e Campanhas Eleitorais

Duração: Dois meses (30 horas) 

Vagas: 50 

Inscrição: Até 4/3

Seleção: Diploma de graduação ou histórico escolar para graduandos

Custo: R$ 927

Início das aulas: 12/3

Site: pucsp.br/pos-graduacao/especializacao-e-mba/marketing-politico-e-campanhas-eleitorais

Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP)

Curso: Marketing para Marketing Eleitoral

Duração: Cinco dias (15 horas) 

Vagas: 40 

Inscrição: A partir de 1º/3

Seleção: Não há

Custo: R$ 1.240

Início das aulas: 25/4

Site: espm.br/eleitoral

Fundação Getulio Vargas (FGV-RJ)

Curso: Gestão de Campanhas Políticas na Internet

Duração: Duas semanas (24 horas)

Vagas: 30

Inscrição: Até 14/3

Seleção: Não há

Custo: R$ 1.188

Início das aulas: 14/3

Site: mgm-rio.fgv.br/cursos/gestao-de-campanhas-politicas-internet

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.