Curso campeão de inscrições no Sisu mira mercado de trabalho

Projeto de bacharelado interdisciplinar da UniABC recebeu 13.414 inscrições e tem 1,5 mil vagas

Agência Brasil,

08 Fevereiro 2010 | 09h04

O projeto de bacharelado interdisciplinar adotado na Universidade Federal do ABC (UniABC), sediada em Santo André (SP), foi o mais procurado no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) pelos estudantes que fizeram as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O curso recebeu 13.414 inscrições no Sisu e tem disponíveis 1,5 mil vagas - são nove candidatos por vaga.   Veja também: MEC divulga lista dos selecionados no SiSU  Inscrição para ProUni é aberta com 165 mil bolsas    Unifesp irá publicar sua primeira lista no dia 10   O coordenador do curso, Derval dos Santos, arrisca apontar o motivo: atende melhor as necessidades do mercado de trabalho do que as graduações tradicionais. "O próprio ABC está sofrendo uma mudança de característica porque algumas empresas têm exigido um perfil mais amplo de alguns funcionários", disse, em entrevista à Agência Brasil. "O perfil desse egresso [do estudante que saiu do ensino médio] é com habilidades para resolver problemas, para permear conhecimentos que, porventura, ele já tem. Essa flexibilização do curso, de certa forma, vai para o perfil desse egresso",   Segundo Santos, o bacharelado interdisciplinar foi adotado pela universidade em 2006. As primeiras turmas devem se formar ainda este ano. Além desse, há também o bacharelado de ciências e humanidades.   Nesses cursos, metade das disciplinas é obrigatória a todos os estudantes. Após conclusão dessas matérias, o aluno escolhe o que estudar de acordo com a formação que pretende ter, segundo os eixos temáticos estabelecidos pela universidade. "Eu acho que essa é uma nova visão. Há uma ruptura das fronteiras do conhecimento. Porque você não estuda química e física, você pode estudar estrutura da matéria com a visão química e física, por exemplo", disse Santos.   Pesquisas realizadas com os alunos que já estão inseridos nesse processo educacional têm mostrado, de acordo com ele, que os estudantes aprovam essa modalidade de ensino mais flexível. "A gente tem observado a satisfação, principalmente pela proposta, pelo projeto pedagógico."   Conforme Santos, a interdisciplinaridade deve ganhar mais força nos próximos anos. "Em termos educacionais, isso é uma tendência. Existem alguns estudos na área de educação que mostram que essa questão interdisciplinar dá uma formação muita mais ampla."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.