Cursinhos acreditam na anulação de pelo menos 1 questão da Fuvest

Teste de matemática sobre polígono não tem resposta, dizem professores; Fuvest convocou bancas

Estadão.edu

29 Novembro 2011 | 20h52

SÃO PAULO - Professores de matemática de cursinhos são unânimes: a questão 62 (no caderno V) da prova de primeira fase da Fuvest deve ser anulada. Para eles, o polígono que o enunciado propõe não existe e, portanto, o teste não tem resposta.

O Anglo e o Cursinho da Poli dizem que só esta questão apresentou problemas. Já o Etapa e o Objetivo concordam que o teste 81, de física, também deveria ser revisto pela organização do exame. O Objetivo pede ainda a anulação de outras duas perguntas: a 89 (física) e a 36 (língua portuguesa) - todas na prova V.

A Fuvest informou ontem ao Estadão.edu que as bancas de química, matemática e língua portuguesa já foram acionadas para analisar possíveis falhas no enunciado ou no gabarito de questões. Nesta terça-feira, 29, admitiu que também recebeu reclamações de professores de física.

A fundação realiza o vestibular para a USP e a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. A prova de primeira fase, com 90 questões, foi aplicada no domingo, 27. No ano passado, um teste desta etapa foi anulado.

O coordenador do Anglo, Luís Ricardo Arruda, diz que enviou e-mail para a Fuvest ainda no domingo, para contestar a questão 62, de matemática. "O teste tem um absurdo lógico. Não tem como salvá-lo." Para o professor, as falhas apontadas por outros cursinhos não prejudicam os candidatos. "Quando a gente presta atenção em pequenos detalhes, acaba prestando um desserviço aos alunos."

O Etapa identificou problemas na questão 81, sobre mecânica. A fórmula que a prova forneceu para o cálculo da resposta está errada, dizem professores de física do cursinho.

"É absurdo um erro como esse na Fuvest", afirma o coordenador de física do Curso e do Colégio Objetivo, Eduardo Figueiredo. "Qualquer livro de física do mundo apresenta como coeficiente de restituição a razão entre as velocidades." Na prova, o aluno teria que adotar o coeficiente como a razão entre as velocidades elevadas ao quadrado. Só assim chegaria à resposta que consta do gabarito oficial. Figueiredo também aponta falhas na questão 89, sobre eletricidade.

Para Francisco Achcar, professor da USP e da Unicamp e coordenador do Curso e do Colégio Objetivo, a questão 36 tende a ser anulada. O teste apresenta quatro afirmações para o estudante julgar quais são corretas. O problema, diz Achcar, é que um dos itens está errado e, no gabarito, aparece como certo. "Se eles forem rigorosos na avaliação do trabalho deles, verão que se trata de um teste com problema e vão anulá-lo."

A Fuvest diz que tanto as bancas que elaboraram os testes quanto as que revisaram a prova estão trabalhando para analisar as reclamações. E informa que, se for necessário, anunciará a anulação de questões.

* Matéria publicada às 21h40.

* Corrigida às 11h24 de quarta-feira, dia 30. O correto é polígono, não polinômio.

Mais conteúdo sobre:
Fuvest USP Vestibular

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.