Curitiba agora usa Lego nas escolas

Alunos do ensino fundamental de Curitiba começarão a utilizar os brinquedos educativos fabricados pela Lego Dacta, da Dinamarca. O projeto Lego nas Escolas foi lançado nesta terça-feira pelo prefeito Cassio Taniguchi e deverá atingir 120 mil crianças das 160 escolas municipais. "As crianças têm condições de aprendizagem, desde que sejam estimuladas", justificou Taniguchi. A Agência Estado foi uma das entidades que apoiaram e deram suporte tecnológico para o novo projeto de aprendizagem implantado em Curitiba.O objetivo do Lego nas Escolas é permitir que os alunos incorporem conhecimento científico e tecnológico desde o início da escolaridade, de maneira lúdica. Foram consumidos cerca de US$ 500 mil no projeto, que incluiu a importação de kits da Dinamarca, onde fica a fábrica da Lego Group. Há três tipos de maletas: ciência e tecnologia na infância, mecanismos simples e motorizados e robótica. Cada maleta permite o trabalho de até quatro crianças."É uma quebra de paradigmas: não o de ensino, mas o de aprendizagem", diz o secretário municipal de Educação, Paulo Schmidt. "A idéia é sempre trabalhar com projetos desafiadores, que levem a encontrar soluções novas." Os professores e pedagogos vêm sendo treinados para o novo conceito de aprendizagem desde abril do ano passado. Em julho do ano passado, pesquisadores do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT), dos Estados Unidos, estiveram em Curitiba para dirigir workshops com o Lego.As peças coloridas e de diferentes formatos são utilizadas na aprendizagem em vários países, como Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra e Japão. Com elas, os fabricantes defendem que é possível trabalhar o raciocínio lógico e matemático, além de ampliar a exploração das questões relacionadas à visão, tato, comunicação, integração e criatividade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.