Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Crowdfunding e o sonho americano

Brasileiros criam plataforma para empresas bancarem jovens interessados em estudar nos EUA

Tatiana Dias / LINK,

10 Dezembro 2012 | 22h53

Para um brasileiro, estudar nas melhores universidades dos Estados Unidos pode custar até R$ 10 mil por mês. Para um trio de estudantes que está atrás do sonho americano, é a barreira econômica - e não os testes, ou o inglês - que mais atrapalha a admissão nos cursos. E é esse problema eles querem resolver com uma nova empresa.

O Eduqueme é uma plataforma de crowdfunding (financiamento coletivo) para que empresas patrocinem jovens que querem estudar lá fora. No site, os alunos postam seu histórico e currículo. As empresas fazem a seleção e, no futuro, podem ganhar em troca um trainee ou funcionário recém-formado em instituições de primeira linha, como Columbia, Harvard, Princeton, Yale ou Stanford.

“Existem empresas que já fazem isso com funcionários, mas não com estudantes da graduação. Eles não têm contato com as empresas”, diz um dos fundadores, Anderson Ferminiano, de 18 anos, que programa desde os 12. Ele mesmo sonha entrar em Stanford. Os outros responsáveis pela iniciativa têm a mesma faixa etária: Henrique Dubugras, de 17, também tentará Stanford em 2013, e Gustavo Haddad Braga, de 18, conseguiu entrar no MIT.

Conference

A proposta chamou a atenção de Marcelo Ballona, fundador do Submarino, que passou o contato da Americas Venture Capital Conference, evento que reúne empresas iniciantes de tecnologia e investidores na Universidade da Flórida. Eles foram aceitos para participar do encontro - e formam a equipe mais nova da conferência, que começa na quinta-feira.

Firminiano calcula que o Eduqueme precisa de um investimento de US$ 350 mil. Uma vez no ar, o site ficará com 9% do valor patrocinado. Para as empresas, diz, vale a pena porque terão dedução no Imposto de Renda - além da mão de obra qualificada. “Que tal um aluno de Harvard? E que tal um aluno de Harvard que você acompanha há anos?”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.