Cristovam quer mais R$ 5,7 bilhões

O ministro da Educação, Cristovam Buarque, quer ampliar o orçamento de sua pasta em cerca de 30%. O ministro apoiou-se em relatório do Inep que demosntra o despreparo do estudante brasileiro ? e, portanto, a urgência das reformas na educação ?para pedir mais R$ 5,7 bilhões para o seu ministério.Cristovam também quer convencer governadores e prefeitos para destinar mais verbas ao setor, que consome cerca de 4% do Produto Interno Bruto (PIB). O ministro anunciou uma lista de metas para os próximos anos, prevendo dobrar o salário médio dos professores até 2007 e universalizar a pré-escola, o ensino fundamental e a alfabetização até 2006. "Não vou fazer disputa pessoal dentro do governo por mais verba para a educação. É o presidente Lula que sempre disse que a educação é importante e é ele que vai decidir, junto com governadores e prefeitos", afirmou. Campanha estadualNa sexta-feira, Cristovam apresentará sua agenda aos secretários estaduais de Educação, de quem espera apoio para convencer os governadores a aplicar mais dinheiro no ensino - pela Constituição, os Estados já destinam 25% de sua arrecadação ao setor.No dia 8, ele estará com secretários municipais. Para Cristovam, o setor público tem recursos suficientes para aumentar os gastos com educação. "É questão de remanejar, tirar de um lugar e colocar noutro."

Agencia Estado,

23 de abril de 2003 | 14h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.