Cristovam critica aprovação automática

O ministro da Educação, Cristovam Buarque, reforçou nesta quarta-feira as críticas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao sistema de progressão continuada adotada em várias escolas públicas do País. Segundo Buarque, "a promoção automática é um desserviço à educação". O ministro disse que o foco do atual governo está no combate à "repetência do aprendizado".De acordo com ele, no Brasil 30% das crianças que freqüentam a 4ª série do ensino fundamental não sabem ler. "O que a gente tem de acabar mesmo é a repetência do aprendizado. (Para) isso eu garanto que a gente vai ter solução", afirmou Buarque, após participar, acompanhado do vice-presidente da República, José Alencar, de uma visita à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)."Vamos sim conseguir que nesse País toda a criança aprenda a ler aos sete anos. Vamos conseguir, mas não vai ser amanhã", completou.O ministro defendeu sua gestão no governo de Brasília, dizendo que implantou um sistema que permitia ao aluno passar de ano "devendo as disciplinas em que ele fosse reprovado"."No meu governo não houve aprovação automática", disse. "Houve sim o processo de acompanhar cada aluno, aqueles que têm a sua idade, mas ele não era promovido, ele ficava devendo aquilo em que ele foi reprovado. O que eu propus e fiz é algo intermediário. Nós mantemos os alunos acompanhando os seus colegas de idade, mas eles ficam devendo". Questionado sobre o fato de várias administrações do adotarem o sistema de progressão continuada, Buarque utilizou-se de um exemplo político. "Mas eu tenho a minha posição. Tem gente dentro do PT que é contra a reforma da Previdência".Na palestra à direção da universidade, Alencar se disse "indignado" com a informação que recebeu da reitora Ana Lúcia Gazolla de que há cerca dez anos um ministro da Educação não visitava a UFMG.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.