JB Neto/Estadão
JB Neto/Estadão

Criadora do 'Diário de Classe' não vai mais para a escola sozinha

Isadora Faber diz sofrer ameaças constantes; estudantes visitou o 'Estado' nesta 2ª

Carlos Lordelo, do Estadão.edu,

12 Novembro 2012 | 21h50

A estudante catarinense Isadora Faber, de 13 anos, visitou nesta segunda-feira, 12, a redação do Estado. Criadora do Diário de Classe, página do Facebook em que cobra melhorias para seu colégio, em Florianópolis, a garota disse que não vai mais sozinha para a Escola Municipal Maria Tomázia Coelho, onde cursa a 7.ª série do ensino fundamental.

 

Embora o colégio tenha sido reformado após a criação do Diário – que já conta com mais de 430 mil ‘curtidas’ e motivou dezenas de projetos semelhantes –, a aluna sofre ameaças constantes de colegas. “Meus pais precisam me levar e me buscar”, afirmou. “Às vezes me sinto só. Quando vêm me ameaçar, até meus amigos saem de perto.”

 

Os professores também não a apoiam e a relação com a direção é conflituosa. Mas o que deixou Isadora triste mesmo foi o apedrejamento de sua casa, na semana passada. A avó dela, de 65 anos, foi atingida na cabeça. O Ministério Público Estadual já investiga os ataques contra a garota.

 

“Não quero sair da escola, porque 2013 será meu último ano lá, nem acabar com a página”, contou Isadora, entre uma olhada e outra no temido smartphone que usa para atualizar o Facebook. Ela quer ser jornalista. “Acho que posso ajudar as pessoas dando informações.”

 

 

A rotina da família de Isadora mudou na esteira do sucesso do Diário. A mãe da garota, a produtora de vídeos Mel Faber, faz as vezes de assessora de imprensa da filha. Mais cedo, acompanhou a estudante em uma palestra em São Paulo e viu Isadora ser tietada pela audiência, formada principalmente por publicitários.

 

No evento, organizado pelo Grupo de Planejamento no Instituto Tomie Ohtake, em Alto de Pinheiros, zona oeste, Isadora destacou o suporte dos pais. "Eles dão uma olhada no meu português", disse, arrancando risos da plateia. Para ela, a escola de sonhos é a que oferece educação de qualidade. "Não é preciso muito dinheiro", argumentou. "Os professores precisam se esforçar mais para dar boas aulas e cobrar mais dos alunos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.