Cretella Junior recebe título de Professor Emérito

Troféu concedido anualmente pelo 'Estado' e Ciee homenageia pessoas que prestaram serviços relevantes ao ensino no País

O Estado de S. Paulo

16 Outubro 2010 | 12h16

O jurista e gramático José Cretella Junior recebeu ontem o título de Professor Emérito 2010 - Troféu Guerreiro da Educação. O prêmio é concedido todos os anos, no Dia do Professor, pelo Estado e pelo Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee) a personalidades que se destacaram ao longo de sua carreira pela dedicação ao ensino e defesa da educação.

 

Cretella Junior nasceu em Sorocaba, no interior de São Paulo, mas na juventude veio para a capital estudar Letras e Direito na Universidade de São Paulo (USP). Desde então sua trajetória está ligada à universidade. Em 1965 se tornou livre-docente e, em 1969, professor-titular. Lecionou até 1990. O homenageado ocupa a cadeira número 1 da Academia Paulista de Letras. Publicou mais de 120 obras em Direito, Língua Portuguesa e Latim. Entre seus livros mais famosos estão Comentários à Constituição de 1988 - em 8 volumes e 6 mil páginas - e o Tratado do Direito Administrativo - em 10 volumes.

 

Cerimônia. O médico cardiologista Adib Jatene, professor emérito do ano passado, saudou o novo premiado durante o evento. Jatene afirmou que tinha poucas referências da área do atual homenageado, mas foi buscar informações e percebeu estar diante de uma figura peculiar, que honra as letras jurídicas e a cultura.

 

"Adorei ler seu livro Viajando pelos Cinco Continentes. É rico de conselhos. Se eu tivesse lido-o antes, certamente minhas viagens ao exterior teriam sido muito mais prazerosas", disse, sorrindo, Jatene.

 

O presidente do Conselho de Administração do Ciee, Ruy Altenfelder da Silva Martins, participou da cerimônia ao lado de Luiz Gonzaga Bertelli, presidente-executivo do Ciee.

 

Para Martins, a escolha do prêmio foi rigorosa, e a láurea consagra mestres notáveis. "É uma outorga por mérito", afirmou.

 

Para ele, Cretella Junior é uma figura mítica do Direito, que por duas décadas comandou a cadeira de Direito Administrativo da Faculdade de Direito da USP. "O prêmio privilegia personalidades que, pela educação, ajudaram a construir um país melhor."

 

Ricardo Gandour, diretor de conteúdo do Grupo Estado, também participou da premiação. Em seu pronunciamento, disse que a parceria de 14 anos entre o Estado e o Ciee sublinha a importância que o grupo sempre deu à educação. Sobre a escolha do homenageado, Gandour vê em Cretella Junior "um autêntico guerreiro da educação".

 

José Cretella Junior agradeceu comovido à homenagem. Aos 90 anos, mostrou muito bom humor. "Para mim, só o fato de pensar em chegar ao século 21 já era ficção científica."

 

Segundo ele, desde jovem sentia que seria professor. Mesmo antes de formado dava aulas de português. "Sempre lutei pelos valores que considero importantes: família, ética e honradez", disse. "Só por meio da educação do povo é que se pode criar um País melhor." Ao lado de Cretella Junior estava sua mulher, Agnes, também advogada. Estão juntos há 60 anos, desde que se conheceram nos bancos da Faculdade de Direito do Largo São Francisco.

 

História. Com a eleição de Cretella Junior, o Prêmio Professor Emérito - Troféu Guerreiro da Educação chegou à 14.ª edição. Desde 1997, receberam o prêmio personalidades de várias áreas da ciência e da cultura.

 

Em 2006, o geneticista Crodowaldo Pavan, morto em 2009, recebeu o prêmio. Na ocasião, ele disse que o título que mais lhe dava orgulho na sua carreira era o de professor. Em 2005, foi a vez do ambientalista Paulo Nogueira Neto, que agradeceu a "todos os que tornaram possível fazer com que o meio ambiente seja tratado seriamente no Brasil".

 

Em 2004, o zoólogo e compositor Paulo Emílio Vanzolini recordou o conselho do pai: "Não vá para uma universidade, vá para um professor. Procure o melhor do mundo e, se ele não te aceitar, procure o segundo melhor."

 

O Ciee é uma organização não governamental fundada há 46 anos. Tem como finalidade a inclusão profissional de jovens estudantes no mercado de trabalho por meio de programas de estágio e de aprendizagem. Já estabeleceu parcerias com 250 mil empresas e órgãos públicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.