Cresce procura do curso de Engenharia de Materiais da FEI

Cresce procura do curso de Engenharia de Materiais da FEI

Profissionais da área ainda são raros, tanto nas fábricas de base quanto nas automotivas

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

17 Outubro 2014 | 23h00

O Brasil forma em Engenharia somente cerca de 5% de seus diplomados, menos que os países da OCDE, com taxa de aproximadamente 12%. Os dados fazem parte do relatório “Recursos humanos para inovação: engenheiros e tecnólogos”, da Confederação Nacional da Indústria, publicado neste ano. Eles revelam o déficit de engenheiros no Brasil, apontado por especialistas como um dos entraves para que o País acompanhe as nações mais inovadoras. 

Com foco nos cursos voltados para a indústria, a área mais carente desse tipo de profissional, o Centro Universitário FEI é uma das principais instituições privadas de formação de engenheiros do País. 

Um dos ramos da área que tem mais crescido na instituição é o de Engenharia de Materiais. Apesar da maior procura dos alunos, a expansão não acompanha a demanda do mercado, explica o coordenador do curso na FEI, Rodrigo Magnabosco. “O grande problema é que outros engenheiros são adaptados para trabalhar com engenharia de materiais.” Magnabosco explica que, além da indústria de base, o profissional também tem espaço em outras áreas como a automotiva e a aeronáutica, por exemplo. “No projeto de um carro, quem estuda e faz a seleção do material que permite ao veículo ser mais leve e mais econômico é um engenheiro de materiais”, afirma. Para se colocar bem no mercado, o estudante desse curso tem ainda de investir no inglês – usado na maior parte dos estudos da área. O retorno, entretanto, é certo: um recém-formado ganha, em média, de R$ 5 mil a R$ 10 mil. 

Depoimento: Gabriela Tieppo Bruno, coordenadora de Marketing


“Eu me formei em Engenharia de Materiais em 2011 e hoje trabalho em uma multinacional como coordenadora de Marketing. Por causa da minha base técnica da faculdade, saí preparada para o mercado. Por ser uma escola industrial, os engenheiros da FEI são mais 'mão na massa' do que os das demais universidades. O curso de Materiais está melhorando, e os docentes foram reciclados. Hoje, sou uma profissional satisfeita com a base que tive.”

Serviço:

Inscrições: Até 28/11/2014 

Mensalidade: R$ 1.802

Vagas: 3.130

Prova: 6 e 7/12/2014 

1ª chamada: 11/12/2014


Site: www.fei.edu.br

Mais conteúdo sobre:
vestibular hora da prova Engenharia FEI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.