Divulgação/Secretaria da Educação do Paraná
Divulgação/Secretaria da Educação do Paraná

Cotado para o MEC tinha o sonho de ser secretário de educação

O economista Renato Feder chegou a pedir emprego no governo de São Paulo porque decidiu que dedicaria à educação. Atualmente é secretário no Paraná

Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2020 | 16h18


O atual secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, cotado para ser o novo ministro de Jair Bolsonaro, era um empresário bem sucedido na área de tecnologia quando resolveu que deveria trabalhar com educação. Em 2017, ele abordou em um evento o então secretário de Educação de São Paulo, José Renato Nalini, na gestão de Geraldo Alckmin. Feder disse a ele que queria um emprego na secretaria, explicou que tinha ganho muito dinheiro e estava disposto agora a trabalhar pelo ensino público.

Nalini se impressinou com o pedido e deu então um cargo de assistente a ele, com salário de R$ 8 mil, na secretaria, onde ficou alguns meses. A intenção era a de que Feder aproximasse a rede estadual de empresários e ONGs que pudessem ajudar em projetos. Mas o trabalho não foi bem sucedido e Feder acabou deixando a secretaria.

Segundo apurou o Estadão, Feder tinha o sonho de se tornar secretário da educação. Seus contatos com empresários e terceiro setor fizeram com que ele fosse indicado a Ratinho Junior (PSD) para o cargo no Paraná, no ano passado. Durante a pandemia, o Estado é um dos que tem se destacado por ter criado rapidamente um sistema de educação a distância bem estruturado com aulas online.

Feder se reuniu com Bolsonaro nesta terça-feira pela manhã, mas ainda não foi confirmada a indicação para substituir Abraham Weintraub, que deixou o Ministério da Educação (MEC) na semana passada.

Em 2016, ele doou R$ 120 mil para a campanha de João Doria para a prefeitura de São Paulo em 2016. O nome de Feder aparece no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como a sétima maior quantia entre os doadores da campanha, que recebeu R$ 12 milhões.

Na época, Feder era proprietário da Multilaser, uma empresa da área de tecnologia. O nome dele não consta entre os doadores da campanha para governador de Doria.

Feder é elogiado pela sua simpatia, inteligência e bom trato. Mas fontes o descrevem como muito ambicioso e que recentemente passou a buscar um cargo público importante na educação. Sua visão mais liberal é criticada por alguns e elogiada por outros no meio educacional.

Em 2007 escreveu um livro em que defendeu a extinção do MEC e a privatização da rede de ensino no Brasil. Ao Estadão, ele disse que não acredita mais nessa visão. “Eu não entendia nada de educação e hoje conheço melhor”.

Fontes dizem, no entanto, que ele pode ter problemas no MEC com os membros ligados a Olavo de Carvalho. Há também muita resistência à colaboração de entidades da sociedade civil no governo, como fundações e institutos, com os quais Feder tem boa relação. A atual secretária da Educação Básica, Ilona Becskehazy, fez postagens recentes em redes sociais afirmando que “ONGs são empresas”, com interesses privados e não vão entrar no MEC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.