Andre Lessa/Estadão
Andre Lessa/Estadão

Convocação dos supervisores de provas do Enem está atrasada

Servidores fazem parte do grupo de logística, responsável por acompanhar a liberação dos malotes

Renata Cafardo e Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2021 | 05h00
Atualizado 17 de novembro de 2021 | 12h43

A quatro dias do Enem, os servidores do Inep que farão o monitoramento da prova nos Estados ainda não foram convocados para o trabalho nem tiveram passagens compradas. Eles fazem parte de um grupo de logística que acompanha a liberação dos malotes para os locais de prova em todas as capitais. No dia do exame, ficam em um centro de controle e recebem alertas sobre a aplicação a todo instante.

A convocação deveria ter sido feita antes, com capacitação e um curso online para os funcionários designados. Eles atuam como um “ponto focal” do Inep nos Estados, disse um dos servidores que já participou desse monitoramento em anos anteriores. Nesta edição, ainda não recebeu aviso sobre a viagem. “Seria um grande risco se não acontecesse”, afirmou. Esses funcionários nos Estados trabalham em conjunto com as empresas aplicadoras, as polícias e os Correios. Em casos complicados, como suspeitas de vazamentos da prova, devem acionar imediatamente os superiores. Também resolvem problemas, como falta de energia em uma região ou falhas do consórcio contratado para a aplicação. O trabalho começa às 8 horas e vai até as 22 horas.

Segundo apurou o Estadão, a definição da equipe que vai aos Estados ocorreu só na sexta à tarde. Houve demora, de acordo com funcionários, porque o presidente do órgão, Danilo Dupas, quis mudar a composição das equipes de monitoramento. A intenção dele teria sido a de não participar do grupo responsável por toda a logística e segurança no dia da prova. Ele acabou desistindo, mas as discussões sobre a possibilidade jurídica dessa mudança acabaram impedindo que se definissem as equipes regionais. Com a demora, o custo das passagens vai aumentar. “Essa morosidade onera a administração pública”, disse uma servidora.

Na edição passada do Enem, 26 foram enviados para os Estados, conforme mostra o plano de ação aprovado pelo Inep. Em geral, a viagem é feita na véspera do exame, mas a definição sobre quem vai participar ocorre antes.

Para esta edição, a previsão era de que os planos de ação, com a escala dos servidores em cada área para atuar no Enem, estivessem prontos até o dia 12 e o planejamento geral consolidado, com as tarefas dos servidores convocados, até o dia 19. Indagado sobre a convocação dos servidores, o Inep não respondeu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.