André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Contratos do Fies serão normalizados em até uma semana, diz ministro

Nesta terça, o Congresso aprovou um projeto que libera um crédito suplementar para o Financiamento Estudantil

Ricardo Brito, O Estado de S. Paulo

18 de outubro de 2016 | 17h38

BRASÍLIA - Logo após a aprovação pelo Congresso do projeto que libera um crédito suplementar para o Financiamento Estudantil (Fies) nesta tarde, o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), afirmou que em no máximo uma semana os recursos para os contratos com o programa estarão normalizados. A proposta avalizada pelos parlamentares autorizou a liberação de um crédito suplementar de R$ 1,1 bilhão para o Ministério da Educação, dos quais R$ 702,5 milhões para o Fies.

Em entrevista no Congresso, de onde acompanhou a votação da matéria, Mendonça também assegurou que não haverá prejuízos para a realização do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), também beneficiária da aprovação do projeto. Ele disse que a prova, marcada para os dias 5 e 6 de novembro, contará com recursos suficientes para honrar os compromissos previstos no cronograma.

"Agora temos esses dois assuntos absolutamente resolvidos e nenhum problema orçamentário ou financeiro poderá causar nenhum prejuízo tanto com relação ao Fies quanto com relação ao Enem", disse o ministro, em entrevista coletiva.

Mendonça Filho justificou o atraso na votação do crédito às pautas da Câmara e do Congresso, o que dificultou a realização de sessões conjuntas para apreciar a matéria. A discussão do crédito para o Fies havia sido adiada por duas vezes pela falta de quórum. Em razão disso, o governo já atrasou em três meses os repasses para as instituições de ensino superior cadastradas no programa, o que tem inviabilizado o funcionamento das universidades e a manutenção de estudantes que utilizam o financiamento público para cursar o nível superior.

O ministro, deputado licenciado pelo DEM de Pernambuco, disse que vai pedir ao presidente em exercício da República, o correligionário Rodrigo Maia, que sancione o quanto antes o projeto de liberação de crédito. Ele disse que, tão logo isso ocorra, quer normalizar a situação dos estudantes que fazem parte do Fies. Segundo ele, são 1,5 milhão de contratos antigos e outros 75 mil novos lançados já na gestão do presidente Michel Temer. "A prioridade nossa é que se normalize, coisa de curto prazo de uma semana no máximo, próximos dias", garantiu. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.