Contra violência, escolas britânicas ensinarão ´boas maneiras´

Estudantes do ensino secundário britânico receberão aulas de boas maneiras e ?inteligência emocional? como parte de uma tentativa das autoridades de combater a crescente onda de violência e falta de respeito por parte dos jovens, segundo afirma reportagem publicada neste domingo pelo jornal The Independent. ?Com o debate sobre a falta de civilidade entre os jovens aumentando de volume, ministros estão planejando estabelecer aulas de ?inteligência social e emocional? para ajudar as crianças a lidar com a raiva e a frustração sem recorrer à violência ou a xingamentos?, relata a reportagem.Segundo o jornal, as aulas estarão integradas ao currículo tradicional e ensinarão os alunos sobre ?jogo limpo e como lidar com a adversidade?.As discussões sobre a violência e a falta de modos entre os jovens é assunto diário nos principais jornais locais, principalmente os tablóides, que diariamente trazem histórias sobre mau comportamento envolvendo crianças e adolescentes.Figuras de autoridadeSegundo a reportagem do Independent, ?o temor é que as crianças não têm mais figuras de autoridade em quem se espelhar e que o Estado deve de certo modo assumir as responsabilidades que pertencem aos pais?."A partir de setembro, crianças do ensino secundário aprenderão valores básicos como ?somos gentis, somos bondosos, trabalhamos duro, cuidamos das propriedades, escutamos as pessoas, somos honestos, não machucamos ninguém??, enumera o jornal.Um piloto do projeto, batizado de Seal (Social and Emotional Aspects of Learning, ou Aspectos sociais e emocionais do aprendizado, na tradução livre), teria conseguido uma melhoria ?dramática? no comportamento de crianças do ensino primário, incluindo freqüência e notas escolares.A idéia, porém, é alvo de críticas por temores de que ela possa diluir o tempo de ensino das matérias básicas e também por acusações de uma suposta invasão do Estado em questões pessoais, observa o jornal.

Agencia Estado,

29 de abril de 2007 | 13h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.