TIAGO QUEIROZ/ESTDAO
TIAGO QUEIROZ/ESTDAO

Conselho renuncia e pais do Santa Cruz temem mudanças

Colégio há mais de 20 anos era gerido por leigos; agora, órgão será consultivo. Escola diz que parte pedagógica não será afetada

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2019 | 11h51

SÃO PAULO - O Colégio Santa Cruz, no Alto de Pinheiros, zona oeste da capital paulista, teve nesta terça-feira, 26, renúncia coletiva de seu Conselho de Administração. Em carta, os conselheiros explicam que a decisão ocorre após a Congregação de Santa Cruz, mantenedora do colégio, aumentar sua ingerência na escola. A mudança preocupa os pais de alunos, que já temem uma descaracterização do projeto pedagógico. 

Um dos mais tradicionais colégios da elite paulistana, o Santa Cruz é frequentado por filhos de empresários e banqueiros. Tem entre seus ex-alunos o presidente do Banco Itaú, Candido Botelho Bracher, que era um dos integrantes do conselho da instituição. 

Com 67 anos, o colégio há mais de 20 anos era gerido pelo Conselho de Administração, que tinha autonomia para nomear diretores e administrar o orçamento. Na última reunião, porém, a mantenedora informou que transformaria o conselho em órgão apenas consultivo, o que resultou na renúncia. 

Desde 2010, quando irmãos religiosos americanos assumiram a liderança da congregação, no lugar de padres canadenses que fundaram o colégio, havia receio de que a escola pudesse perder o caráter leigo. Embora façam parte da mesma entidade, os americanos são considerados mais conservadores. Os canadenses são vistos como mais progressistas e engajados com problemas sociais. 

A carta de renúncia coletiva explica que, em 2016, os irmãos implementaram uma administração centralizada para as três escolas da congregação no Brasil - incluindo o Colégio Dom Amando, em Santarém, no Pará, e o Notre Dame, em Campinas, fundados pelos americanos. A escola de Campinas tem perfil socioeconômico semelhante ao do Santa Cruz, mas nunca teve direção leiga completa (os diretores são escolhidos pela congregação). 

A centralização da administração passa a ser agora em Campinas. Assim, o Conselho de Administração do Santa Cruz terá de responder aos executivos no interior do Estado ou ao Conselho de Congregação, composto unicamente por religiosos, segundo informa a carta. “Tendo representado os ideais dos padres fundadores junto à comunidade, alguns de nós há mais de 20 anos, julgamos necessário tornar pública esta carta, como uma forma de prestação de contas e formalização da nossa renúncia”, diz o texto, que tem como signatários, além de Bracher, o cientista Fernando Reinach, presidente do colegiado, o administrador Ricardo Belotti e o engenheiro Lair Krahenbuhlr - ex-alunos, com exceção do último. 

Direção e pais

Em circular enviada às famílias de alunos, a direção do colégio agradece aos integrantes que deixaram o colegiado “por diferenças de pontos de vista em relação à natureza do conselho”. Afirma ainda que, em breve, serão anunciados os novos membros, que se juntarão aos atuais conselheiros: padre José de Almeida Prado, padre Roberto Grandmaison, irmão Ronnie Lenno Farias Silva, Flavia Cristina Piovesan e Denise Aguiar Alvares.

Em nota, a direção do colégio diz que a alteração não trará nenhuma mudança nos princípios pedagógicos ou curriculares. Também informou que o Santa Cruz é uma “escola católica pluralista aberta a todas as opções religiosas” e seguirá oferecendo “ensino humanista para formar cidadãos críticos e atuantes”. “As mudanças no Conselho Administrativo devem trazer renovação e importantes colaborações para a gestão da escola”, afirma. 

Mas um grupo de pais já enviou uma carta aos ex-conselheiros e à direção do colégio em que diz ter recebido a notícia da renúncia com “surpresa e preocupação”. Eles temem que o projeto pedagógico da escola possa ser descaracterizado, por exemplo com o aumento da carga horária de disciplinas voltadas ao ensino religioso. 

Apesar de católico, o Santa Cruz passou na década de 1990 por um processo de laicização, quando deixou de ter diretores ligados à Igreja. Atualmente, os alunos têm aulas sobre História das Religiões e têm a opção de fazer catequese no colégio. A preocupação dos pais seria com a volta de um caráter mais religioso, o que pode afastar famílias não católicas. Estima-se que cerca de 15% dos alunos sejam judeus. O Estado tentou contato com a Congregação por telefone e e-mail, mas ninguém foi localizado. 

Para lembrar

Em fevereiro de 2017, a Escola da Vila, uma das mais tradicionais de São Paulo, com três unidades, foi vendida em parte para a Bahema - holding de participações em empresas - por R$ 34,48 milhões. A mudança ocorreu em meio à forte concorrência de grupos educacionais e diante da aposentadoria de três sócias. O anúncio causou a apreensão de pais de estudantes. À época, a direção afirmou que o negócio foi fechado para dar sequência ao projeto do colégio e não havia intuito de modificar a linha pedagógica da Escola da Vila, reconhecida pela educação humanista. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.