Conhecida como saco cheio, a próxima semana é de folga para muitos estudantes

Depois de atravessar meses de aulas, provas e simulados, os estudantes de todos os níveis chegam a um ponto em que não vêem a hora de uma folga para descansar e recuperar as energias. É exatamente isso que eles fazem durante a Semana do Saco Cheio, emendando os feriados do Dia da Criança (12) e do Dia do Professor (15). Na maioria dos colégios de ensino fundamental e médio, dos cursinhos pré-vestibulares e até das universidades de São Paulo não haverá aulas na semana que vem. Se muitos aproveitam a semana, poucos são os que conhecem sua origem. Há pelo menos duas versões. Uma é a do coordenador-geral do curso Anglo Vestibulares, Nicolau Marmo. ?No início da década de 80, notamos que a aproximação dos exames de fim de ano deixava professores e alunos estressados?, conta Marmo. ?Em outubro, o problema se agravava por causa dos simulados das provas descritivas da Fuvest. Então, resolvemos criar a Semana do Saco Cheio, para todos descansarem.? O diretor-geral do Colégio Santa Cruz, Luiz Eduardo Cerqueira Magalhães, por sua vez, tem uma versão diferente. ?Essa tradição, de fazer um recesso na semana dos dias 12 e 15 de outubro, é antiga em nosso colégio?, explica. ?Ela foi trazida do Canadá pelos padres que fundaram o Santa Cruz. É costume no Hemisfério Norte dar uma semana de folga no início da primavera. Eles trouxeram isso para cá. Nós a chamamos de Semana de Recesso.? Seja como for, Magalhães acha o intervalo bom para alunos e professores. ?Do ponto de vista pedagógico, é benéfico para todos. As pessoas recuperam as energias para chegar até o fim do ano.? Os alunos do Santa Cruz concordam. ?É um momento de descanso para repor as energias?, diz Ricardo Castro, de 17 anos, aluno do 3.º ano do ensino médio do colégio. ?Sem essa folga ficaria mais difícil.?

Agencia Estado,

11 de outubro de 2002 | 17h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.