Congresso dos EUA estuda limitações para lanche escolar

O Instituto de Medicina dos Estados Unidos recomendou novos padrões para alimentos e lanches oferecidos nas escolas, que levariam a uma limitação drástica do conteúdo de açúcar, calorias e gordura, ao mesmo tempo em que estimulariam uma alimentação mais nutritiva. Preocupado com a epidemia de obesidade entre os jovens, o Congresso americano havia encomendado um estudo ao Instituto, e agora decidirá o que fazer com as recomendações. "Garantir que todos os alimentos e bebidas disponíveis em escolas atingem padrões de nutrição pode ajudar as crianças a estabelecer hábitos alimentares saudáveis por toda a vida", disse a líder do comitê que elaborou o relatório, Virginia A.Stallings."Comida e bebida não devem ser usados para premiar ou punir comportamentos ou desempenho acadêmico", disse Stallings, diretora do centro de nutrição do Children´s Hospital of Philadelphia.A comida vendida nas cantinas escolares, sob um programa federal de subsídio à alimentação, já é obrigada a seguir padrões nutricionais. O estudo do instituto trata de opções que competem com esses alimentos. Exemplos são doces vendidos em máquinas e outros alimentos vendidos na escola sem cobertura do programa federal.A venda de doces e outros alimentos em escolas é uma fonte de renda em diversas comunidades. A presidente da Associação de Nutrição Escolar, Janey Thornton, disse que espera receber reclamações de pessoas prejudicadas economicamente, se as sugestões do comitê forem adotadas."Será uma vergonha se tentarmos equilibrar o orçamento da escola às custas da saúde nutricional das crianças", disse ela.

Agencia Estado,

26 de abril de 2007 | 19h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.