Congregação da São Francisco considera reitor da USP 'persona non grata'

Órgão máximo da faculdade também pedirá ao MP que investigue medidas tomadas por Rodas

Carlos Lordelo, Estadão.edu

29 Setembro 2011 | 19h42

  

Fotos: JB Neto/AE

A Congregação da Faculdade da Direito da USP decidiu nesta tarde, de forma unânime, considerar o reitor da universidade, João Grandino Rodas, "persona non grata" na escola. A congregação, da qual fazem parte alunos, funcionários e professores, decidiu ainda encaminhar ao Ministério Público uma lista de medidas tomadas por Rodas, ex-diretor da faculdade, que julga merecedoras de atenção. Entre os pontos que podem ser investigados, segundo a comunidade da São Francisco, estão o uso de verba pública para produzir boletins com críticas à faculdade.

A proposta de considerar Rodas "persona non grata" foi apresentada pelo professor Sérgio Salomão Shecaira. O diretor da São Francisco, Antonio Magalhães Gomes Filho, afirmou que a relação conflituosa com o reitor chegou a um "ponto insuportável". "Não estou atacando o reitor, estou defendendo a faculdade."

Para o estudante do 3.º ano Pedro Henrique Martinez, de 20 anos, um dos quatro representantes dos alunos na congregação, a reunião "avançou bastante" na tomada de posição contra o reitor. Representante dos funcionários, Alexandre Pariol disse que, apesar de duras, as decisões foram tomadas "com muita responsabilidade". "Tínhamos que adotar esse caminho. O que Rodas está fazendo com a USP é muito sério", afirmou. "Nossa faculdade precisa dizer: 'Nós não nos vendemos.'"

Procurada pelo Estadão.edu por volta de 20 horas, Assessoria de Imprensa da reitoria disse desconhecer a manifestação da congregação. Logo em seguida afirmou que Rodas não se pronunciará sobre o episódio.

Além do gasto com os boletins, a congregação da faculdade quer que o MP investigue o fechamento da biblioteca da São Francisco, último ato da gestão de Rodas na unidade, e a assinatura de um contrato de gaveta para batizar uma sala com o nome do banqueiro Pedro Conde. Outro item da lista é a transferência para o gabinete da reitoria de dois tapetes orientais doados pela Fundação Arcadas à direção da faculdade.

 

* Atualizado às 22h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.