Concurso abre 2.450 vagas para professor com deficiência física

A abertura de 49 mil vagas do concurso para professor da rede pública paulista criou uma boa oportunidade para os professores com deficiência física. Como a lei exige que 5% das vagas de todos os concursos brasileiros sejam destinados a deficientes, 2.450 postos de trabalho foram abertos a eles.Além de passar pelo teste, entretanto, o professor precisa provar que tem saúde suficiente para desempenhar a atividade. "Se a deficiência não for grave, ele pode assumir o cargo sem problemas", conta a diretora de Recursos Humanos da Secretaria Estadual de Educação, Maria Luiza Haddad Beiro.O mais comum é haver professores com graus leves de cegueira ou paraplégicos. "Nesse caso, a comunicação é perfeita", diz a professora. "E o problema da locomoção é facilmente resolvido."Prova especialNa ficha de inscrição, os candidatos deficientes devem assinalar sua condição física e solicitar, se necessário, o pedido de realização de prova especial (em Braille ou ampliada). No período de inscrição, o candidato precisa apresentar um laudo comprovando o grau e tipo de deficiência que apresenta.São esperados cerca de 200 mil candidatos em busca das 50 mil vagas. Para os que têm deficiência, porém, a concorrência deve ser menor.AtividadesSe aprovado no concurso, o professor pode escolher entre uma lista especial de atividades, mas precisa passar por uma perícia médica em que sua aptidão e sua deficiência serão testadas.Nos últimos concursos da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo, 11 professores com deficiência física estavam entre os 704 aprovados.

Agencia Estado,

18 de setembro de 2003 | 11h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.