JF DIORIO/ESTADAO
JF DIORIO/ESTADAO

Como usar o Enem para entrar em faculdades

Nota na prova serve como forma de ingresso em instituições públicas e privadas, tanto no Brasil como lá fora

Redação, Estadão.edu

20 de março de 2020 | 17h46

Só no ano passado, mais de 6 milhões de pessoas se inscreveram no Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem. Criado em 1998 com a finalidade de avaliar os estudantes do ensino médio, a prova se tornou na última década no grande vestibular nacional. 

Em dois dias de exame, os inscritos respondem a 180 questões objetivas e fazem uma redação. No primeiro dia de prova, as disciplinas são de Ciências Humanas e Suas Tecnologias, Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias e Redação. Já no segundo dia de prova, é a vez de Matemática, Códigos e Suas Tecnologias, e Ciências da Natureza e Suas Tecnologias. Cada disciplina possui 45 questões.

O resultado do Enem é usado tanto para pleitear vagas nas universidades públicas – por meio do Sisu – como para acesso a bolsas de estudo e financiamento estudantil nas instituições privadas. A nota também é considerada por algumas instituições do exterior para a seleção de estudantes brasileiros.

Além disso, se a pontuação for igual ou superior a 450 pontos e o candidato não ter zerado a redação, a prova pode isentar o candidato de realizar o vestibular tradicional de algumas faculdades privadas que adotam a nota do Enem como critério de seleção.

Veja em detalhes os usos do Enem:

 - Sistema de Seleção Unificada (Sisu): programa dá acesso a vagas em instituições públicas de ensino superior. A seleção ocorre duas vezes ao ano, e respeita a nota do Enem, desde que o candidato não tenha zerado a redação. O candidato acessa o site sisu.mec.gov.br, insere seu número de inscrição e senha cadastrada no Enem e escolhe até duas opções de curso. No encerramento da fase de inscrições, os candidatos são automaticamente selecionados de acordo com as notas no Enem e os critérios da instituição escolhida.

- Programa Universidade para Todos (ProUni): oferece bolsas de estudo em instituições particulares para candidatos com renda familiar bruta mensal de até três salários mínimos por pessoa. É destinado a alunos que cursaram o ensino médio na rede pública ou na rede particular como bolsistas integrais. Exige a nota mínima de 450 pontos no Enem e que o estudante não tenha nota zero na redação. A seleção se dá de acordo com as notas obtidas.

- Fundo de Financiamento Estudantil (Fies): concede financiamentos a juros reduzidos, que podem mesmo chegar a zero para alunos com renda per capita mensal familiar de até três salários mínimos. O empréstimo pode ser pago após a conclusão do curso. Como o ProUni, vale a regra de 450 pontos no Enem e não ter zerado a redação.

- Acesso direito: muitas instituições de ensino particulares – entre elas, algumas das mais tradicionais – aceitam a nota obtida no exame como critério de seleção. Nesse caso, não é preciso fazer vestibular e uma boa notícia é que o ingresso para 2020 ainda está aberto em muitas dessas instituições.

- No exterior: o Enem também é uma porta de entrada para estudar em um curso superior fora do país. O destino com mais possibilidades é Portugal. Mais de 30 instituições consideram, dentre outros fatores, o desempenho no Enem em seus processos seletivos, como as universidades de Coimbra, Algarve e Lisboa. Outros rumos possíveis são a França, Holanda, Estados unidos e o Reino Unido. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.