Como diminuir a pressão nos dias que antecedem o vestibular

Florais, relaxamento, massagem, tai chi chuan. Vale tudo para vencer o estresse do vestibular. A 40 dias do início da maratona - quando começa a primeira fase da Fuvest -, os estudantes tentam vencer a ansiedade e o cansaço com terapias alternativas. "Não abro mão das minhas aulas de tai chi nem da meia-hora de meditação que faço todos os dias", garante Roberta Castro, de 17 anos, candidata a uma vaga de nutrição. "Sem elas, perco o equilíbrio." Fazendo cursinho de manhã e estudando mais quatro horas à tarde, ela acredita que todo vestibulando deve ter um momento para relaxar. "Não dá para ficar só em cima dos livros, senão você enlouquece", diz. "Acho que é preciso fazer alguma atividade prazerosa, seja jogar futebol ou fazer yoga." Buscar ajuda nas flores também pode ser uma saída e há estudantes que começam a usar florais. "As essências das flores podem desbloquear a criatividade, aumentar a confiança, acabar com a preguiça, trazer serenidade, estimular o raciocínio e aumentar a concentração", explica a terapeuta holística Vera Caballero. "Nesses meses que antecipam o vestibular, os jovens ficam ainda mais estressados e os florais auxiliam na reestabilização. Cada essência tem uma função e uma energia diferente." Vera lembra que há até um floral de emergência, chamado Rescue, para ser tomado no dia da prova. "O Rescue pode ser usado até por quem nunca fez o tratamento e tem um efeito calmante em momentos de grande tensão", explica. "O aluno pode tomá-lo por duas horas, de dez em dez minutos." Massagem ou relaxamento na escola Quem está em busca de um relaxamento muscular pode contar com as massagens. No Centro de Terapia Corporal EGO, por exemplo, a procura de vestibulandos é cada vez mais freqüente. "Há vários tipos de massagem que podem ajudar o vestibulando", afirma uma das terapeutas da clínica, Giane Pereira Ribeiro. "A anti-estresse, por exemplo, trabalha com as costas e com o rosto porque são os locais de maior acúmulo de tensão." A massagem, garante, ajuda a descontrair os músculos, melhora a circulação e equilibra o organismo. "Ela é uma arma poderosa para diminuir toda a pressão do vestibular." Os colégios também passaram a se preocupar com o estresse dos vestibulandos e vários já oferecem aulas de relaxamento às turmas do 3.º ano do ensino médio. É o caso do Augusto Laranja. Toda semana, orientados pela psicóloga Wânia Rennó, eles têm uma hora para esquecer as tensões. "Uso música, imagens, dou exercícios de respiração, de contração de musculatura e de relaxamento", conta Wânia. "Alguns acabam dormindo na aula, mas assim que ela acaba eles comentam que estão mais leves." O trabalho, explica, ajuda o estudante a lidar com a pressão do vestibular. "Nessa etapa, eles estão sendo muito cobrados pelos pais, professores e por eles mesmos. Então, é fácil ficar tenso." Quando aprendem a relaxar, afirma, o aluno tira o foco do estudo por alguns momentos. "Ele entra em contato com seu interior, desenvolve a concentração e melhora a memória." Na Escola Lourenço Castanho, o relaxamento é quase uma festa. "Trabalhamos com expressão corporal, com movimento. Estimulamos os alunos a se tocarem, a soltarem o corpo e, assim, eles relaxam", conta a professora de música Cássia Maria de Araújo, responsável pelo trabalho. "Usamos bola, entoamos mantras, fazemos massagem, dançamos em círculo e quem sabe pode até tocar violão. Tudo é permitido na hora de desestressar." O psicólogo e professor da disciplina Projeto de Vida do Colégio Guilherme Dumont Villares, Léo Fraiman, também usa música e voz para fazer com que seus alunos esqueçam, pelo menos por alguns momentos, que o vestibular está chegando. "Ensino exercícios que ajudam o jovem a se soltar, que trabalhem a respiração e com a concentração", afirma. "E eles são orientados a repetirem o relaxamento em casa duas vezes por dia." As aulas de Léo começam neste mês e, segundo ele, os resultados são imediatos. "Eles melhoram o desempenho escolar e ganham mais autoconfiança", conta. "Além do relaxamento, trabalho com técnicas cognitivas para melhorar a atenção, a concentração e a memória. Na véspera do vestibular, os estudantes estão tão ansiosos e tensos que, de vez em quando, até aquele que sabe tudo acaba indo mal nas provas por falta de autocontrole." No ano passado, Marília Rangel Ribas Martins, hoje com 18 anos, estudou no colégio e fez as aulas do professor. "Foi ótimo. Eu vivia tensa por causa do vestibular, da cobrança que eu mesma fazia e, no relaxamento, conseguia esquecer de tudo", conta. "Até hoje, quando tenho alguma prova difícil, uso o que aprendi na escola e acho que os vestibulandos têm de parar pelo menos cinco minutos por dia para se reequilibrar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.