WERTHER SANTANA|ESTADÃO
WERTHER SANTANA|ESTADÃO

Com votação da reforma da previdência adiada, professores retornam às aulas

Docentes estavam em greve há 20 dias contra a proposta do prefeito João Doria (PSDB)

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

28 Março 2018 | 12h12

SÃO PAULO - Após 20 dias de paralisação, os professores da rede municipal de São Paulo retornaram às aulas nesta quarta-feira, 28. A greve foi suspensa pela categoria após a votação da proposta de reforma da previdência do prefeito João Doria (PSDB) ser adiada em 120 dias pelos vereadores da Câmara Municipal. 

++ Câmara de SP desiste de votar reforma da previdência neste semestre

+++ Doria aumenta piso e recua em alíquota extra para aprovar reforma da previdência municipal

De acordo com o Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal (Sinpeem),  a categoria mantem o posicionamento contrário à proposta e a retomada da greve caso seja levada à votação novamente. A Secretaria Municipal de Educação (SME) confirmou que as aulas foram retomadas nesta quarta e que todas as escolas da rede funcionaram normalmente. 

O adiamento da votação foi anunciado na terça-feira, 27, pelo presidente da Casa, Milton Leite (DEM), e decreta dura derrota ao prefeito, que pretendia aprovar a reforma até o dia 6, quando deixa o cargo para concorrer ao governo do Estado nas eleições. Mais cedo, na tentativa de conseguir apoio, Doria havia condicionado o reajuste do piso do funcionalismo à aprovação da reforma. 

O sindicato informou que já garantiu com a secretaria o pagamento dos dias paralisados e que a reposição das aulas será debatida com a SME e depois deverá ser aprovadas nas unidades escolares. 

+++ Servidores municipais protestam contra reforma na previdência em SP

Em nota, a secretaria informou que os 200 dias letivos previstos em lei serão cumpridos em todas as escolas e que o calendário de reposição precisa ser aprovado pelo Conselho Escolar e homologado pela respectiva Diretoria Regional de Educação. A pasta informou que o pagamento dos dias parados será feito mediante a reposição das aulas perdidas.




 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.