Com câmpus fechado, USP Leste adia início das aulas pela 3ª vez

Unidade está interditada por causa de problemas ambientais; diretoria estuda começar o ano letivo no dia 31

VICTOR VIEIRA, O Estado de S.Paulo

22 Março 2014 | 02h06

A diretoria do câmpus Leste da Universidade de São Paulo (USP) resolveu ontem adiar pela terceira vez o início do ano letivo na unidade, um dia depois do anúncio da reitoria sobre os novos locais de aulas. A USP Leste está interditada desde janeiro por causa de problemas ambientais.

A previsão era de que o ano letivo começasse depois de amanhã. A decisão de adiamento tomada pela reitoria atendeu aos apelos da Comissão de Graduação da unidade, responsável por distribuir as aulas, que julgou "absolutamente inviável" a retomada das atividades. A diretoria indicou que as aulas poderão voltar no dia 31, mas a definição do calendário depende dos próximos ajustes estruturais.

Os professores da USP Leste se queixaram do pouco tempo para organizar as atividades e alegaram que as salas oferecidas pela reitoria, por escassez de espaço ou equipamentos, não comportam todas as turmas da unidade. A falta de laboratórios para práticas e pesquisas também foi criticada.

Anúncio. Em anúncio feito às pressas, a reitoria informou anteontem que as aulas de quase 5 mil alunos do câmpus Leste iriam se espalhar entre uma instituição particular e a Faculdade de Tecnologia (Fatec) Itaquera, ambas na zona leste, e outras escolas da USP, na zona oeste da capital. Ontem, porém, o Centro Paula Souza, responsável pelas Fatecs, corrigiu o comunicado e declarou que as unidades disponíveis eram a Fatec Tatuapé e uma escola técnica do centro, informação confirmada pela USP.

Outra reclamação de docentes e alunos é que as aulas foram fragmentadas, o que prejudicaria o deslocamento de quem dá aulas ou está matriculado em disciplinas oferecidas em diferentes pontos da cidade. Ainda é considerado pelos professores levar mais aulas para prédios do câmpus Butantã. Mas, por causa dos transtornos, parte dos alunos já defende a suspensão do semestre letivo.

As aulas nas outras unidades começaram em 17 de fevereiro, como previa o calendário oficial da universidade. Nas redes sociais, alunos da USP Leste convocam um protesto na frente da reitoria na terça-feira, contra a situação da unidade.

Mais conteúdo sobre:
Educação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.