Colombiana leva 'Nobel da Educação'

DOHA - Quando começou a delinear, nos anos 70, o modelo educacional Escuela Nueva, a socióloga colombiana Vicky Colbert não imaginava a amplitude que suas ideias tomariam. Na época, sua preocupação eram as crianças e os adolescentes das zonas rurais da Colômbia, que tinham pouco acesso ao sistema formal de educação e, quando estavam na escola, se deparavam com um ensino de baixíssima qualidade. “A formação dos professores era precária e as escolas não se comunicavam com a sociedade. O calendário e a avaliação eram extremamente rígidos e o método de ensino, exclusivamente focado no professor”, relembra Vicky.

Bia Reis, O Estado de S. Paulo

26 Novembro 2013 | 01h00

Com o Escuela Nueva, a socióloga mudou a realidade das escolas rurais – e depois das urbanas. A inovação chegou a 20 mil colégios e tornou-se política pública na Colômbia. Na década de 1980, estudo comparativo entre 11 países latino-americanos, da Unesco, apontou que só Cuba e Colômbia haviam conseguido melhores resultados nas escolas públicas rurais do que nas urbanas.

O programa migrou então para Nicarágua, Guatemala, Guiné, Peru, Honduras, El Salvador, Panamá, Paraguai, Brasil, República Dominicana e Chile, com apoio de organizações como Unicef, Save the Children e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Nos últimos anos, chegou ainda mais longe: México, Timor Leste, Vietnã e Zâmbia.

No decorrer de 40 anos, a socióloga que enfrentava longas viagens pelo interior de seu país virou vice-ministra da Educação da Colômbia, atuou como assessora regional em Educação das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe e fundou a Fundação Escuela Nueva, ONG que criou para expandir o modelo educacional. No fim de outubro, recebeu o Wise 2013, a mais importante premiação de educação do mundo – uma espécie de Prêmio Nobel da área –, promovido pela Fundação Catar.

Inovação. Vicky conta que as ideias que colocou em prática nos anos 70 não eram novas. Importantes pensadores e educadores as discutiam desde o início do século passado. “O novo não foi a concepção filosófica. O novo foi termos conseguido colocá-la em prática e a disseminado”, diz.

O Escuela Nueva centra a aprendizagem na criança e propõe um currículo com base no cotidiano e em avaliações flexíveis. Foca a relação da escola com a comunidade e enfatiza valores democráticos. E trabalha a capacitação dos docentes. “Qualquer professor em qualquer escola pode aplicar a filosofia e melhorar a aprendizagem de seus alunos.”

Mais conteúdo sobre:
nobel educação colombiana nueva escuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.