Paulo Giandalia/AE-17/10/2011
Paulo Giandalia/AE-17/10/2011

Coisas que eu queria saber aos 21: Priscila Cruz

Diretora do Todos Pela Educação e vencedora do Prêmio Jovens Lideranças fala de sua formação

Estadão.edu,

29 Maio 2012 | 01h13

"Sempre fui ‘cdf’ na escola e gostava de todas as matérias, mas quando chegou o momento de escolher o curso universitário fiquei muito dividida entre Arquitetura, Agronomia e Publicidade. Fiz a inscrição no vestibular para Administração da FGV, por duas razões: por ser um curso aberto o suficiente para que eu pudesse adiar a escolha profissional e por influência do meu pai, um empreendedor nato.

 

Logo no primeiro semestre, percebi que o curso era amplo demais. Resolvi prestar vestibular para Direito na USP, achando que não teria muita chance de passar. Fui aprovada com ótima colocação, em grande parte porque estava muito calma, já que não sofria pressão, por ter entrado em outra universidade. Foi uma grande experiência, pois entendi que na vida adulta a emoção governa boa parte da nossa trajetória.

 

Na Sanfran – que fiz à noite, enquanto cursava a FGV de manhã –, tive uma das experiências mais ricas da minha vida: saí de ambientes muito homogêneos (minha escola e a FGV) para vivenciar a diversidade da faculdade pública, com alunos de várias classes e Estados, com orientações religiosas e ideológicas totalmente distintas e de várias faixas etárias, com experiências de vida bem diferentes das minhas. Também foi na Sanfran que passei a gostar de política, de debater ideias e de me posicionar em relação às causas em que acreditava.

 

Hoje sou extremamente grata às escolhas que fiz ainda meio sem saber aonde me levariam. As grandes decisões definem nossa vida (como a escolha do curso universitário), mas temos menos controle do que imaginamos sobre as consequências dessas escolhas – em parte, acho, porque as decisões do dia a dia, aquela conversa no Centro Acadêmico, um trabalho em grupo nos fazem perceber o que queremos da vida.

 

Já formada, testei algumas carreiras e aproveitei muito todas as oportunidades que apareciam. Mas sentia falta de algo. Numa conversa com amigos da FGV me dei conta de que, apesar de muito bem remunerados para a idade, todos estavam descontentes com o seu trabalho – menos uma amiga, que não trabalhava em uma empresa, mas em uma organização social na área da cultura. Nesse momento tive um estalo: eu queria ser feliz com o que fazia, exatamente como ela. E comentei isso naquela noite.

 

Outra amiga me encaminhou para uma ONG e mandei o currículo sem saber exatamente o que era terceiro setor. Saí da consultoria onde trabalhava e fiz uma das escolhas mais importantes da minha vida. Coordenei o comitê brasileiro do Ano Internacional do Voluntário da ONU em 2001, ajudei a fundar e fui coordenadora do Instituto Faça Parte e também ajudei a fundar o movimento Todos Pela Educação, do qual hoje sou diretora executiva. Em consequência disso, fiz outra descoberta: é possível ser arquiteta de soluções, agrônoma para ajudar a plantar um país melhor, publicitária de causas, administradora de um projeto de nação, tudo isso buscando contribuir para a plena efetivação do direito à educação de qualidade de todas as crianças e jovens."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.