Método Engenharia/Divulgação
Método Engenharia/Divulgação

Coisas que eu queria saber aos 21: Hugo Marques da Rosa

Presidente da Método Engenharia lembra dos tempos de faculdade e do início da carreira

Estadão.edu

28 de novembro de 2011 | 22h50

"Quando estudava Física e Engenharia na UFRGS, eu não tinha planos além de me formar. Um colega foi fazer vestibular em São Paulo e eu o acompanhei. Prestei para Engenharia de Produção e entrei na Poli.

 

Meu pai era médico e morreu quando eu tinha 17 anos, antes de me mudar para São Paulo, em 1967. Me inscrevi na moradia universitária, o Crusp, mas havia a premissa de que alunos de outros Estados tinham como se manter. Eu e outros excedentes ocupamos um alojamento mais vazio, de alunos da pós e professores. Houve negociação e a reitoria decidiu que cada apartamento receberia mais um aluno. Então, para mim, essa questão toda hoje de Crusp e invasão de reitoria é familiar.

 

Na época não havia polícia no câmpus nem tráfico. Quando a PM entrava na USP, era para reprimir alguma questão política. Em 68, ela fechou o Crusp e fortaleceu a repressão. Morei em banco de praça, na biblioteca da FAU, na casa de amigos.

 

Um dia, meu colega de quarto e um amigo dele me convidaram para abrir uma fábrica de blocos de concreto. O primeiro saiu do Brasil por motivos políticos. Então, em 69, fundamos a Diagrama, eu e o outro aluno. Era o Henrique Meirelles. Mas ele foi sócio só por um ano, resolveu se dedicar à graduação.

 

Com o seguro de vida de meu pai e umas aplicações que fiz, tinha comprado um Corcel, que vendi para montar a fábrica. Fiquei com um Fusca. Chegava à fábrica, em Diadema, às 7 horas e depois ia para a Poli; ao meio-dia, voltava. Hoje seria impossível, por causa do trânsito.

 

Nossos clientes eram construtoras, que pediam prazos de pagamento que não podíamos dar, por não ter capital de giro; e gente que comprava blocos para ampliar a casa. Conclusão: tínhamos que agregar valor aos blocos. Como era obrigatório murar terrenos baldios na capital, começamos a fazer muros, com um novo serviço: fabricar o bloco no canteiro de obras, o que evitava o ICMS que incide sobre o transporte. Os clientes compravam insumos, o que dispensava capital de giro. Uma incorporadora nos pediu para murar um conjunto e fazer também as casas, minha primeira experiência com construção.

 

Quando me formei, em 1971, vendemos a Diagrama. O dinheiro não daria para um Corcel novo, mas o trabalho serviu para me manter e fazer contatos. Me tornei sócio de outra empresa e em 73 saí para fundar a Método com meu sócio, Victor Foroni. Tinha duas ideias: usar na engenharia conceitos da indústria, como a administração científica que aprendi na Poli; e ter uma relação mais civilizada entre capital e trabalho – a construção ainda funcionava como as corporações da Idade Média, vide o vocabulário: contramestre, feitor, etc.

 

Tirando o Mário Covas, na época em que presidi a Sabesp, nunca tive chefe. O que tive vontade de fazer, fiz. Meu conselho para os jovens de 21 anos pode ser: trabalhe numa organização que seja uma boa escola. Nem todas são. É bom ter líderes que possam ensinar. E, quando tiver que tomar uma decisão, consulte seu estômago. Se estiver incomodado, saia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.