Cinco feridos em confronto entre professores e PM

Cinco pessoas ficaram feridas nesta segunda-feira quando cerca de 500 professores da rede estadual do Pará tentavam invadir o Centro Integrado de Governo (CIG), no centro de Belém, e foram impedidos pela Polícia Militar. Ficaram feridos quatro professores e uma vendedora ambulante, atingida no rosto por uma bala de borracha disparada pela PM.Os professores, em greve há oito dias, concentraram-se em frente ao CIG, afirmando ter uma audiência com a secretária especial de Gestão, Teresa Cativo. O governo negou que houvesse audiência, dizendo que estava marcada para a tarde desta terça-feira.Os professores foram repelidos pelos policiais e passaram a jogar pedaços de madeira, pedras, cacos de telha e até garrafas de água mineral. Eles danificaram um portão de acesso ao CIG. Houve disparos de balas de borracha e bombas de efeito moral contra os professores. Os sindicatos reclamam que os salários estão defasados em mais de 60% e exigem reposição das perdas.Desde o começo do expediente, a secretária de Gestão estava fora do CGI, tratando com outros secretários do reajuste de salários e do efeito das correções na folha de pagamento dos servidores. A demora de Teresa Cativo fez com que os grevistas tentassem entrar no prédio de qualquer maneira.De acordo com os professores, o governo agiu com violência para justificar sua falta de diálogo com a categoria. "O Governo não se recusa a dialogar com nenhuma categoria que reivindique salários e benefícios, porém não pode se submeter à violência, porque não é sob pressão que se continuará dialogando e se resolverão as pendências. O governo não tem motivação de nenhuma ordem para não manter o diálogo com os trabalhadores estaduais", disse a secretária.

Agencia Estado,

03 de maio de 2004 | 22h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.