Cientistas mexicanos criticam cortes na educação

A Academia Mexicana de Ciências divulgou um manifesto nesta sexta-feira criticando os cortes de recursos para as áreas de educação e ciência, previstos no orçamento do governo para 2005. O ensino médio, segundo o documento, terá um corte de 4% em termos reais e o superior, de 3,2%.A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados comentou o relatório informando que 14% das crianças não estão matriculadas e que o ensino médio só atende 55,7% dos jovens.O Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (Conacyt) perderá em 2005 pelo menos 14%, segundo Rosaura Ruiz, secretária de Desenvolvimento Institucional da Universidade Nacional Autônoma do México (Unam).O gasto nacional com ciência e tecnologia, segundo a Academia, cairá de 0,37% do Produto Interno Bruto (PIB) para 0,35% em 2005. Os cortes, segundo a Academia, impedirão 3.500 doutorandos de iniciar suas pesquisas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.