Cidade do Conhecimento põe em prática a inclusão digital

Cercada por um grupo de colaboradores do Infocentro Cio da Terra, a monitora de informática Vânia da Silva Santos, de 22 anos, deixou o Jardim Ângela logo cedo para ir à Universidade de São Paulo (USP) apresentar um trabalho que vai ajudar a mudar a comunidade: orientado pela Cidade do Conhecimento do Instituto de Estudos Avançadas da USP, o grupo de Vânia desenvolveu um projeto de inclusão digital comunitário. "Sem essa parceria com a USP, não teríamos condições de imaginar a criação de programas a partir da internet", disse. Na segunda-feira, em comemoração ao início das atividades de 2003, a Cidade do Conhecimento apresentou uma e prestou conta dos resultados dos trabalhos em 2002. "Nossos projetos em parceria com unidades e laboratórios da USP e algumas das mais importantes instituições tecnológicas nacionais e internacionais atingiram cerca de 30 mil pessoas", disse o diretor acadêmico da Cidade do Conhecimento, Gilson Schwartz. Trata-se de um portal com o objetivo de proporcionar a inclusão digital no País. Além da orientação virtual, há a proposta de trabalhar com professores de infocentros e telecentros. Os monitores têm aulas com professores da USP. Schwartz acrescentou que o projeto captou um volume expressivo de recursos e beneficiou parcela significativa da comunidade de professores e educadores do ensino médio e fundamental. Nesse período, pelo menos dez projetos orientados pelo programa saíram do papel. Informações podem ser obtidas no site www.cidade.usp.br.

Agencia Estado,

01 de abril de 2003 | 14h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.