Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

CEU dispensa alunos por falta de água

Crianças matriculadas na creche do Centro Educacional Unificado (CEU) Paz, na Brasilândia, zona norte, estão tendo que voltar para casa mais cedo desde o início das aulas. Por lei, elas deveriam ter atendimento em período integral, mas, por falta de professores e, às vezes, de água, têm sido dispensadas até quatro horas antes. O problema surge ao mesmo tempo em que o governo José Serra implementa o período integral para todos os alunos do ensino fundamental. O programa é uma das vitrines da gestão tucana e já apareceu em propaganda do PSDB.A unidade, que deveria ter 72 professores, está com dez a menos. Ontem, as crianças foram dispensadas às 14h, quando deveriam ficar até as 18h. "Eles ligaram e avisaram para pegar minha filha porque a água tinha acabado", contou Neide da Silva Chaves, de 30 anos, que tem uma filha de 2 anos e 7 meses na creche. Hoje, alunos das duas escolas do CEU foram embora mais cedo. Na semana passada, contam os pais, as crianças da creche foram liberadas dois dias mais cedo e um dia não houve aula.Além da interrupção no abastecimento, freqüente em dias de calor, porque a escola fica numa região alta, os pais foram avisados de que a falta de professores também dificultava o atendimento. A direção chegou a pedir às mães que não trabalham ou podem deixar os filhos com parentes que não os levassem à creche até resolver a situação.Com o déficit de pessoal, a unidade está desrespeitando o número máximo de crianças por educador, estabelecido pela própria Prefeitura para garantir um atendimento sem riscos. No caso de crianças entre 2 e 3 anos, um professor só deve cuidar de até 12 alunos. Na creche do CEU Paz, estão tendo de ficar com 21."No fim do ano passado, o déficit era de 2 mil professores de educação infantil na rede", diz o presidente do sindicato dos professores municipais, Cláudio Fonseca.No caso das creches conveniadas, a falta de pessoal é punida pela Prefeitura com suspensão de repasse de verba e até rescisão contratual.A Secretaria Municipal de Educação informou que houve cinco exonerações de professores neste ano e que a reposição está em andamento. Sobre a falta d´água, caminhões-pipa da Sabesp garantem o abastecimento. E garante que as aulas perdidas serão repostas.

Agencia Estado,

09 de março de 2006 | 23h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.