Daniel Teixeira/ Estadão
Daniel Teixeira/ Estadão

Censo sorológico para testar professores, alunos e servidores municipais começa nesta quinta, 1º

Prioridade para o retorno às aulas é daqueles que já tiverem anticorpos contra o novo coronavírus; de acordo com a Prefeitura de SP, 777 mil pessoas serão testadas. No primeiro dia, coletas foram feitas com 3.500 pessoas

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2020 | 10h04
Atualizado 01 de outubro de 2020 | 21h40

A Prefeitura de São Paulo iniciou nesta quinta-feira, 1º, a testagem de professores, estudantes e servidores da rede municipal de ensino para identificar a prevalência de infectados pela covid-19. A primeira etapa colherá material sorológico de mais de 192 mil pessoas. Ao todo, o censo testará 777 mil.

No primeiro dia de testes, foram convocadas 9.187 pessoas, tendo sido efetivadas 3.500 coletas em 88 unidades de ensino. Segundo o Estadão apurou na última sexta-feira, 25, a secretaria municipal de Educação quer priorizar a volta às aulas em novembro para professores e estudantes que já tenham anticorpos contra o novo coronavírus. Mas aqueles que não tiverem não serão impedidos de retornar às atividades presenciais. O anúncio do censo foi feito pelo prefeito Bruno Covas (PSDB) em coletiva de imprensa na última semana.

Os primeiros testes serão realizados em alunos do 3º e 9º anos do Ensino Fundamental, todas as séries do Ensino Médio, educadores (com menos de 60 anos) e servidores. As escolas, que deverão seguir as normas de distanciamento social e biossegurança para evitar aglomerações, foram orientadas a organizar a coleta do material para exame das 8h às 12h e das 13h às 17h. Os testados serão previamente convocados pelas unidades de ensino por e-mail, WhatsApp e contato telefônico, informou a Prefeitura. 

Três fases

O censo sorológico será dividido em três fases e deve durar cerca de 40 dias. A primeira delas, que irá até 15 de outubro, testará 192.913 pessoas e será dividida em três etapas neste mês - a primeira começa nesta quinta; a segunda vai do dia 5 ao dia 8; e a terceira, de 13 a 15. As equipes de todas as 468 Unidades Básicas de Saúde (UBS) serão mobilizadas para fazerem as coletas das amostras de sangue nas próprias escolas. Os bebês e crianças de 0 a 3 anos são os únicos que farão os testes nas unidades de saúde, onde também terão a carteira de vacinação atualizada. 

De acordo com a Prefeitura, o material será encaminhado para os laboratórios parceiros das UBSs - que normalmente fazem as análises laboratoriais e os testes de covid-19 dos pacientes. As unidades entregarão os resultados às respectivas diretorias de ensino, que serão responsáveis pelas notificações aos alunos e servidores examinados. No caso dos que testarem positivo, toda a família será testada, de acordo com apresentação de sintomas - e, se necessário, receberá acompanhamento médico.

A expectativa da Prefeitura é de que 20% dos alunos já tenham anticorpos, seguindo o que foi identificado no inquérito sorológico das crianças feito na capital paulista. O estudo mostrou que 18,4% do estudantes da rede municipal já teriam sido infectados com o novo coronavírus. A estimativa é de que 244.242 alunos já desenvolveram anticorpos para o SARS-CoV-2.

Além da volta às aulas, prevista para novembro, a Prefeitura já autorizou o retorno presencial de escolas públicas e particulares da cidade em 7 de outubro. As instituições de ensino devem promover atividades extracurriculares neste momento, como esportes, acolhimento e recreação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.