Capes debate carência de doutores em Física

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/MEC) abriu, em 31 de agosto, em Brasília, uma série de discussões sobre área de Física no País. Estarão em debate questões como a carência de profissionais, capacidade de atendimento da demanda nacional por parte dos 3,5 mil doutores, o que fazem os físicos brasileiros e quais as principais necessidades do setor.?Este é o primeiro encontro. Realizaremos muitos outros, com coordenadores de programas de pós-graduação, representantes da indústria e de centros de pesquisa?, disse o diretor de programas da Capes, José Fernandes de Lima. ?Queremos elaborar um plano que garanta a empregabilidade dos doutores e uma melhor adequação da formação, tendo em vista o desenvolvimento do País.?O Brasil forma cerca de dez mil doutores, anualmente. O número corresponde a menos de um doutor (0,15) para cada cem mil habitantes. Na opinião de Lima, esse número é muito pequeno para atender os desafios do Brasil. ?Precisamos continuar crescendo, a fim de atender às necessidades de modernização industrial e de expansão dos centros de pesquisa?, salientou.Participam do encontro Adalberto Fazzio, presidente da Sociedade Brasileira de Física; Celso Pinto de Melo, pró-reitor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Ronald Cintra Shellard, do Centro Brasileiro de Pesquisas em Física (CBPF); Alaor Silvério Chaves, do Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Rita Maria Cunha de Almeida, do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e Roberto Mendonça Faria, do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP).A Capes pretende também promover reuniões com especialistas de outras áreas, como Química e Biologia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.