JF Diório/Estadão
JF Diório/Estadão

Candidatos acham primeira fase da Unicamp 'objetiva' e 'tranquila'

Redação teve como temas mobilidade urbana e ações culturais; questões de múltipla escolha abordaram Primavera Árabe e imagem de Che Guevara desenhada por Andy Warhol

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

10 Novembro 2013 | 18h31

Os candidatos que prestaram a primeira fase do vestibular da Unicamp neste domingo, 10, começaram a sair da prova na Unip Paraíso, na zona sul de São Paulo, às 16h30, após 3h30 do início do exame. Cerca de 3.600 pessoas eram esperadas, segundo um fiscal, na maioria jovens estudantes.

Nesta primeira fase do vestibular, a prova continha 48 questões de múltipla escolha e duas propostas de redação. Segundo a Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest), não é permitida a saída com o caderno de provas, pois o material é usado para as respostas finais.

A maioria dos candidatos que saíram do câmpus da Unip Paraíso acharam a prova "tranquila" e "objetiva". Na primeira proposta de redação, o vestibular sugeria que o estudante escrevesse um relatório com ações culturais para um colégio. Na segunda, a proposta era fazer uma carta, que deveria ser publicada em uma rede social e endereçada às autoridades sobre alternativas para diminuir o trânsito em seu município de origem.

Para Rodrigo Souza, de 18 anos, que tenta ingressar no curso de Medicina, a redação foi a parte mais difícil da prova. "Achei a parte de teste tranquila, mas a redação foi complicada", disse. 

Atualidades. Uma das questões de múltipla escolha, segundo os candidatos, abordava a Primavera Árabe, uma onda de revoltas que começou na Tunísia no final de 2010 e se espalhou pelo Oriente Médio e norte da África. A questão pedia que os vestibulandos apontassem qual país tinha sido afetado pelos protestos. Uma outra questão continha uma imagem de Che Guevara desenhada pelo americano Andy Warhol e pedia que o candidato explicasse o que significava a imagem naquele momento histórico. 

Narayanne Peluco, de 18 anos, disse que as questões foram objetivas e que a prova foi bem menos cansativa que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). "Empaquei na redação. Os temas eram legais, mas complicados, e achei que todas as questões de múltipla escolha estavam no mesmo patamar de dificuldade", afirmou. Para a estudante, a segunda fase da prova deve ser mais difícil. "Essa fase foi tranquila, mas dizem que na segunda é preciso estudar mais", disse Narayanne, que está tentando uma vaga no curso de Medicina e presta pela primeira vez o vestibular da Unicamp. "Estou testando neste ano, vendo como funcionam os vestibulares". 

A vestibulanda Adriana Lins, de 18 anos, no entanto, disse que as questões de Física foram as mais difíceis. "Essa prova foi bem diferente do Enem, que tem textos longos e exige interpretação. A Unicamp é completamente objetiva, por isso achei a prova bem mais sossegada." Ela está prestando Artes Visuais na Unicamp e Psicologia na Fuvest. 

O treineiro Thiago Bussabi, de 16 anos, que estuda no 2.º ano do ensino médio do Colégio Porto Seguro, achou a prova fácil. Ele pretende prestar no ano que vem para Engenharia Elétrica. "Achei tudo fácil, porque eu tinha estudado. A redação foi tranquila. Estudo sempre as matérias da escola em casa."

Gabriel Pedroso de Moraes, de 17 anos, que presta o primeiro vestibular, disse que considerou a prova tranquila. "Todo mundo sai confiante, mas dizem que tem muita pegadinha na prova. Se eu passar para a segunda fase, vou ter de estudar muito mais".

Mais conteúdo sobre:
Unicamp educação vestibular

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.