Candidatos acham Fuvest parecida com o Enem; veja gabarito

Candidatos que prestaram o maior vestibular do País consideraram as questões de humanas mais objetivas

Giuliana Vallone e Carlos Orsi, do estadao.com.br,

25 de novembro de 2007 | 17h21

A impressão predominante entre os vestibulandos que deixavam a prova da Fuvest logo após o final do horário obrigatório de permanência em sala, às 16h, na Escola Politécnica (Poli) da USP, foi de que o exame deste ano estava mais simples que o do ano passado - com destaque para as questões de Humanas, consideradas mais curtas e objetivas - e que em alguns pontos assemelhava-se ao estilo do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do governo federal.   Índice de abstenção cai Gabarito oficial da Fuvest Exemplo de exame: a prova V Correção online (COC) Correção online (Objetivo) Vestibulando: opine sobre a prova Veja galeria de imagens do exame Vídeo: depois da primeira fase  Vídeo: antes da prova Confira calendário dos principais vestibulares Em termos de dificuldade, a principal queixa foi para as questões da área de Exatas, principalmente a prova de química.  A vestibulanda Tathyana Aparecida, 22, que presta a Fuvest pela segunda vez, em busca de uma vaga no curso de Administração de Empresas,  Achou a prova um "pouco diferente". "Do modo como as questões foram formuladas, lembrou um pouco a prova do Enem", declarou. Priscila Parlagreco, 18 anos, que tenta uma vaga em História, achou o vestibular desde ano "mais fácil e melhor de fazer". "Humanas estava boa de fazer, com questões mais curtas e uma prova menos cansativa".   O candidato a uma vaga no curso de Publicidade, um dos mais concorridos do vestibular da Fuvest, Rafael Amaral Rosa, de 19 anos, concordou e disse que a prova de Humanas estava "mais prática". Ele se queixou dos exercícios de Exatas, que lhe pareceram mais trabalhosos, e com menos espaço para a resolução.  Interdisciplinares A comparação entre a Fuvest e o Enem foi mais forte no que diz respeito às questões interdisciplinares, introduzidas pela Fuvest no exame do ano passado.A mesma impressão dos candidatos que fizeram prova na Poli foi confirmada por vestibulandos que prestaram a Fuvest no Instituto de Matemática, também na USP. Renata Rodrigues da Silva, 18 anos, que disputa uma vaga no curso de Economia, considerou a prova mais fácil que a de 2006. "De modo geral, as questões interdisciplinares estavam bem formuladas e bastante parecidas com o Enem", disse.  Vitor Shimada, 18, que busca uma vaga no curso de Letras, concordou que as questões interdisciplinares lembravam as do Enem. Ele acrescentou, ainda, que era possível "achar a resposta pelo enunciado" em diversas questões. Não só nas interdisciplinares, mas também em algumas questões da parte de Humanas. Segundo Renata, em algumas questões bastava "bater o olho e responder". A vestibulanda Layla Fiod, de 17 anos, candidata a uma vaga no curso de Relações Públicas, também ficou com a impressão de que, em algumas questões interdisciplinares, a resposta já estava no enunciado. A impressão geral dos vestibulandos ouvidos pela reportagem foi de que a prova de Humanas estava fácil - Jessica Finco, 17 anos, que disputa uma vaga em Publicidade, chegou a  queixar-se do que viu como uma excessiva simplicidade da prova de inglês - e a de Exatas, mais exigente. Química e matemática foram os alvos principais das queixas dos vestibulandos. 'Mudança importante' O diretor e coordenador pedagógico do Colégio Módulo, da capital paulista, Wagner Sanches, diz que essas impressões parecem confirmadas pelos vestibulandos com quem teve  contato imediatamente após a prova. "Minha primeira impressão é de que a área de Exatas teve mais dificuldades, principalmente matemática, e a de Humanas foi mais tranqüila", disse. Para ele, a comparação com o Enem procede. "Na interdisciplinaridade, tivemos a impressão de que a Fuvest seguiu o mesmo molde do Enem. Em muitas questões, você conseguia ver a resposta no enunciado; eram questões de análise, interpretação". Sanches considera essa uma "mudança importante e positiva". Já o coordenador do Curso Etapa, Carlos Eduardo Bindi, diz que não se pode comparar a Fuvest ao Enem, ao menos em termos de grau de dificuldade. "Este ano o Enem foi muito simples e a Fuvest tem mais conteúdo", disse. "Mas foi tranqüilo para quem se preparou". A lista de aprovados na primeira fase sai no dia 14. Antes disso, a Fuvest deve divulgar a nota de corte – quantidade de acertos mínima para passar para a segunda etapa.  As novas provas, que terão questões dissertativas e a redação, serão entre 6 e 10 de janeiro. A lista final, com os primeiros convocados, será divulgada no dia 7 de fevereiro.  Texto ampliado às 20h35. (Colaborou Ana Lucia Araujo)

Tudo o que sabemos sobre:
fuvestenemvestibular

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.