"Canarinhos" darão aulas de cidadania na Av. Paulista

A partir de junho, 120 jovens entre 16 e 20 anos vão dar lições de cidadania às milhares de pessoas que diariamente andam pela Avenida Paulista. Esses jovens fazem parte do projeto "Educador Social", lançado nesta quarta-feira, em São Paulo. O programa é uma parceria entre a Prefeitura de São Paulo e a Associação Paulista Viva.Os 120 selecionados para trabalhar em uma das avenidas mais movimentadas da cidade foram apelidados de "canarinhos da Paulista", por causa do uniforme amarelo que vão usar. Todos os jovens fazem parte do programa Bolsa-Trabalho, da Prefeitura. Eles recebem mensalmente R$ 146 e, a partir do mês que vem, R$ 176, em função do reajuste do salário mínimo.Os jovens beneficiados com o programa têm de estar estudando. O projeto tem duração de seis meses, prorrogáveis até dois anos, segundo o secretário municipal de Desenvolvimento Trabalho e Solidariedade, Márcio Pochmann.Lançado em abril, o Bolsa-Trabalho já beneficiou 39 mil jovens de diferentes regiões da capital paulista. Os selecionados para o Bolsa-Trabalho, mas que vão atuar no Educador Social, residem nas regiões oeste, sul, leste e central do município.A prefeita Marta Suplicy aproveitou o lançamento do projeto, para anunciar que daqui a seis meses começa a revitalização da Avenida Paulista. Ela disse que o projeto já foi concluído e que a avenida vai ganhar novo piso, luminárias e ipês. "As luminárias já foram escolhidas. Daqui a seis meses começam as obras", garantiu ela durante discurso.A prefeita disse que com o novo projeto os jovens terão habilidade em lidar com o público. "É como que um treinamento da área de RH. Vão precisar ter bastante habilidade e preparação para as reações do público, que nem sempre serão boas", previu Marta. Uma das funções dos "canarinhos da Paulista" será a de convencer os pedestres a não jogar lixo na rua. Antes de começar a atuar no centro financeiro da capital, os jovens já estão passando por treinamento, que é de responsabilidade da Associação Paulista Viva. As atividades começaram no dia 1º deste mês. A entidade, além de treinar os 120 jovens, vai também fornecer a eles tíquete alimentação e vale-transporte, além de ingressos para cinemas, shows e outras atividades culturais.O secretário Pochmann disse que a Prefeitura estuda também viabilizar outros projetos de educação e cidadania, entre eles o está o "Educador Ecológico", onde os jovens atuariam, por exemplo, no Parque Trianon. "Esses programas criam condições de o jovem ampliar sua escolaridade e dar retorno ao cidadão paulistano", afirmou o secretário.

Agencia Estado,

09 de abril de 2003 | 18h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.