Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Câmara dos Vereadores quer ouvir reitor sobre contaminação da USP Leste

Ex-diretor da unidade José Jorge Boueri Filho é alvo de apurações internas e também do Legislativo municipal

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

23 Abril 2014 | 18h59

Após interferência da Justiça e do Ministério Público Estadual (MPE), a contaminação do câmpus Leste da Universidade de São Paulo (USP) agora é alvo de investigação do Legislativo municipal. O reitor da instituição, Marco Antônio Zago, foi convidado para ir à Câmara de Vereadores de São Paulo na próxima terça-feira, 29, para falar sobre os problemas ambientais da unidade.

Esta será a terceira reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Áreas Contaminadas, instalada há duas semanas para investigar terrenos poluídos da capital, como o câmpus da USP Leste, a sede da Defesa Civil, na zona norte, e as áreas remanescentes de duas escolas, também na zona norte, fechadas há quase cinco anos por causa da concentração de gás metano no terreno.

Além de Zago, foram chamados o superintendente de Espaço Físico da USP, Oswaldo Nakao, José Jorge Boueri Filho e Edson Leite, antigos diretor e vice-diretor da unidade. Boueri, também investigado pelo MPE, é acusado de depositar terra de origem desconhecida no câmpus em 2011, um dos principais motivos de contaminação do terreno. A USP Leste está interditada judicialmente desde 9 de janeiro por risco à saúde de professores, alunos e funcionários.

 

O objetivo de vereadores - e de representantes da USP Leste que participarão da reunião - é questionar os ex-diretores sobre as circunstâncias que levaram à poluição do câmpus, uma vez que a terra foi movimentada sem licença. Outra intenção é cobrar do reitor o calendário de medidas para descontaminar o terreno ao longo do ano. A assessoria de imprensa da universidade ainda não confirmou se o Marco Antônio Zago irá à reunião na Câmara. Procurado por e-mail, Boueri não foi encontrado.

 

Apuração interna. Em novembro do ano passado uma comissão de professores da USP abriu uma sindicância interna para investigar a responsabilidade de José Jorge Boueri Filho pela contaminação da unidade. Inicialmente o prazo para concluir a investigação era fevereiro, mas o término foi adiado para maio. O grupo ainda pode prorrogar novamente o fim dos trabalhos.

 

No próximo dia 9, foram convocados para depor à comissão de investigação interna o ex-vice-diretor da USP Leste Edson Leite e outros dois docentes da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, como testemunhas de defesa. Também serão ouvidas a atual diretora Maria Cristina Motta de Toledo, e dois representantes das empresas que supostamente teriam participado da movimentação de terra contaminada até o câmpus da USP Leste durante 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.