Câmara dos Deputados aprova redução de juros do Fies

Projeto segue agora para o Senado; professores e médicos da rede pública terão desconto adicional

Agência Brasil,

16 Setembro 2009 | 13h33

A Câmara dos Deputados aprovou ontem projeto de lei que muda as regras do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies). A proposta de autoria do deputado Gilmar Machado (PT-MG) objetiva a ampliação do número de estudantes a serem atendidos pelo fundo. O projeto, que segue para apreciação do Senado, foi aprovado na forma de substitutivo apresentado pelo relator deputado Reginaldo Lopes (PT-MG).   Segundo o relator, com as novas regras do Fies, o estudante vai participar do programa pagando juros negativos em relação à inflação em torno de 4,5 %. A previsão é de que ficarão em torno de 3,5 % ao ano para os novos contratos e, também, para os saldos devedores. Atualmente os juros são de 9 % ao ano.   O projeto também alonga o prazo de financiamento que era de uma vez e meia o tempo do curso para três vezes. "Isso vai impactar menos o estudante que terá as prestações mais baixas e maior tempo para pagar o financiamento", disse o relator. Segundo ele, outra novidade da proposta, é a permissão para que o estudante recorra ao Fies toda vez que necessitar. Antes era apenas uma vez.   Na avaliação do deputado Reginaldo Lopes, com as novas regras a expectativa é que se aumente o número de estudantes atendidos pelo Fies. O relator avalia que, em 2010, o número de estudantes beneficiados pelo programa poderá chegar a 200 mil.   O texto aprovado também dá um desconto de 1 % sobre o saldo devedor se o contratante do fundo exercer a profissão de professor na rede pública ou de médico do programa Saúde da Família. O relator acredita que as novas regras do Fies vão beneficiar cerca de 576 mil brasileiros, entre os estudantes e as pessoas formadas.

Mais conteúdo sobre:
pontoedu fies ensino superior

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.