Câmara autoriza Haddad a comprar terreno para a Unifesp na zona leste

Construção de câmpus foi uma das promessas de campanha do prefeito

Diego Zanchetta, de O Estado de S. Paulo,

02 Abril 2013 | 21h49

SÃO PAULO - Por 48 votos favoráveis e nenhum contrário, a Câmara Municipal autorizou nesta terça-feira, 2, o prefeito Fernando Haddad (PT) a adquirir um terreno de 175 mil metros quadrados previsto para receber um câmpus da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em Itaquera, na zona leste. A compra havia sido interrompida pela Prefeitura em julho de 2011, após o Ministério Público Estadual descobrir que a empresa holandesa Mon Fort Administração de Bens Próprios Ltda., sem sede no Brasil, comprara o terreno dois meses antes, em maio, por um valor 287% inferior ao ofertado pelo governo em julho: R$ 16,2 milhões em 15 prestações.

 

A compra agora poderá ser efetuada pelo governo, no valor de R$ 62,1 milhões. O depósito em juízo foi feito pelo prefeito Gilberto Kassab (PSD) em dezembro, durante a transição de governo. A criação do câmpus da Unifesp foi uma das promessas de campanha de Haddad. A votação do projeto em segunda e definitiva discussão também foi mais uma demonstração da força do prefeito no Legislativo, onde sua base governista soma hoje 42 dos 55 vereadores – antes Haddad já conseguiu aprovar as mudanças na inspeção veicular e a compra de um terreno para a construção de um centro universitário em Pirituba, na zona norte da capital.

 

Segundo o MP, a Mon Fort, que arrematou em maio de 2011 o imóvel onde vai ficar a Unifesp, tinha conhecimento da declaração de utilidade pública da área onde funcionou a sede das indústrias Gazarra, publicada no Diário Oficial da Cidade no dia 26 de julho de 2010. No mês seguinte ao decreto, peritos judiciais contratados pela Prefeitura avaliaram o valor da área em R$ 62,1 milhões. O governo municipal, porém, já conseguiu liminar na Justiça que autoriza o pagamento do valor do terreno avaliado pelos peritos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.