Arquivo/AE
Arquivo/AE

Bullying é mais frequente em escolas no Sudeste e Centro-Oeste, diz pesquisa

Violência física e psicológica entre estudantes é maior entre garotos; causas ainda são pouco claras

estadao.com.br

14 Abril 2010 | 14h27

Levantamento nacional apontou que o "bullying", ato de violência física ou psicológico praticado dentro do universo escolar, é mais frequente nas regiões Sudeste e Centro-Oeste do País e que tem um envolvimento maior de estudantes de 11 a 15 anos de idade.

 

Veja também:

linkInternet permite novas dimensões à prática do bullying

linkCelular vira ferramenta de bullying

linkEscolas terão de conter bullying

 

Participaram da pesquisa elaborada em 2009 mais de 5 mil estudantes de escolas públicas e particulares das cinco regiões geográficas do Brasil, que responderam sobre a incidência, causas, modos, perfis e estratégias de combate a esse problema.

 

Segundo o levantamento, 70% dos estudantes responderam ter presenciado cenas de agressões entre colegas, enquanto que 30% deles declararam ter vivenciado ao menos uma situação violenta. O porcentual de vítimas de bullying é maior entre os garotos (12,5%), sofrendo agressões com frequência maior a três vezes no ano.

 

Nas respostas do questionário, os estudantes não conseguiram identificar as causas do comportamento violento, talvez por não conseguirem diferenciar os limites entre brincadeiras, agressões verbais e maus tratos violentos, segundo os especialistas.

 

A pesquisa "Bullying no Ambiente Escolar" foi feita pela ONG Plan Brasil, pelo Centro de Empreendedorismo Social e Administração em Terceiro Setor e pela Fundação Instituto de Administração (FIA), e tem como objetivo identificar as situações de violência nas escolas brasileiras e orientar estudantes, pais, gestores e docentes escolares sobre as formas de reduzir sua frequência e as graves consequências.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.