WERTHER SANTANA
WERTHER SANTANA

USP sobe em ranking global de universidades; Brasil é o 6º país com mais representantes na lista

Publicação da revista Times Higher Education é uma das mais importantes do ensino superior. Top 10 é dominado por instituições britânicas e americanas

Ludimila Honorato, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2020 | 08h00

SÃO PAULO - O Brasil subiu uma posição no ranking internacional de melhores universidades e agora é o sexto país com maior número de instituições melhor avaliadas na lista da revista britânica Times Higher Education (THE). A publicação é uma das mais importantes mundialmente em avaliação do ensino superior. O País está à frente de Espanha, Itália e Alemanha, e soma 52 instituições - seis a mais do que no ano passado. A Universidade de São Paulo (USP) é a instituição nacional melhor colocada e avançou em relação ao último levantamento.

O ranking deste ano reúne informações de 1.527 universidades, um recorde, de 93 países e regiões. Os Estados Unidos lideram a lista, com 181 instituições; em seguida vêm Japão (116), Reino Unido (101), China (91) e Índia (63). O top 10 é dominado por Reino Unido e Estados Unidos. A britânica Universidade de Oxford, que está à frente de um dos estudos mais promissores para desenvolver a vacina contra o novo coronavírus, está em 1° lugar, seguida pela de Stanford e Harvard (ambas nos EUA). 

A THE observa que, embora Estados Unidos e Reino Unido dominem os 10 primeiros postos, a China entra no top 20. A Universidade de Tsinghua é a 1ª instituição asiática a conquistar uma posição no grupo de elite. Por outro lado, a Europa teve um número baixo recorde de universidades entre as 200 melhores.

Classificada como a melhor do País, a USP subiu no ranking e está na faixa das 201-250 melhores instituições (após o 200º lugar, as universidades são classificadas em faixas). No levantamento anterior, ocupava a faixa 251-300. A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) aparece como segunda melhor brasileira, na faixa entre 401-500, uma melhora em relação ao ano passado, quando estava na faixa 501-600.

Vahan Agopyan, reitor da USP, comentou sobre os desafios do ensino superior em meio à pandemia do novo coronavírus. "Abordagens inovadoras para a educação tiveram que ser desenvolvidas e implementadas rapidamente para permitir que os programas continuassem durante a pandemia. A pesquisa colaborativa multidisciplinar foi fomentada na necessidade de responder rapidamente às demandas da sociedade para encontrar soluções para os desafios trazidos pela pandemia. Competição foi transformada em cooperação, é uma nova abordagem para a pesquisa", disse ele durante participação em um dos painéis do THE World Summit 2021.

O Brasil, que antes contava com 46 universidades no ranking, agora tem 52. Entraram para a lista: Universidade Federal de Sergipe, Universidade Federal de Juiz de Fora, Universidade Federal do Maranhão, Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal do Piauí e Universidade Federal de Uberlândia. 

Para a avaliação, a THE considera, entre outros fatores, o número de citações de pesquisa, o grau de titulação dos professores, a transferência de conhecimento para a sociedade e o nível de internacionalização. Ao comentar o resultado, o diretor da THE, Phil Baty, afirmou que o avanço da covid-19 pode ter  impacto significativo sobre as universidades. "Esta nova classificação fornece mais uma evidência clara de mudança no equilíbrio de poder na economia global do conhecimento a partir dos sistemas de ensino superior. Essa tendência deve se acelerar ainda mais à medida que a pandemia anuncia uma tempestade perfeita de enormes desafios, principalmente para universidades ocidentais, especialmente aquelas nos EUA e no Reino Unido, que enfrentam risco muito real de perder talentos estudantis internacionais significativos", afirmou.

No caso das universidades brasileiras, a crise sanitária impôs desafios de organizar sistemas de aulas e pesquisa híbridos, que envolvam atividades presenciais e remotas, e lidar com a restrição de recursos, uma vez que a pandemia afetou gravemente e arrecadação e tem afetado o orçamento do ensino superior público. Nos últimos anos, as instituições do País já vinham sofrendo com restrições de verba para pesquisa e custeio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.