Branco que se inscreveu como negro é motivo de piada

O estudante Ricardo Zanchet, de 19 anos, que tenta pela terceira vez uma vaga no curso de Química da Universidade de Brasília (UnB), virou motivo de piada em casa. "Estou morrendo de rir. Agora só chamo ele de negão", diz a mãe, Vênus, de 38 anos.Branco e sem nenhum traço de afrodescendente, ele se declarou pardo para ter os benefícios da cota racial no próximo vestibular da UnB, em junho. Tirou a foto no momento da inscrição e já avisou que pode ir à Justiça se não o aceitarem na disputa menos acirrada pelas 392 vagas da cota.Contrário à política de cotas exclusivamente raciais, Ricardo diz que seu objetivo é protestar contra a reserva para negros de 20% das vagas da universidade. Ele critica a falta de critérios sócioeconômicos."Quem vai ocupar essas vagas é a elite negra que estudou em escola particular assim como eu", afirma o estudante, que admite não ter a pele escura nem nunca ter sofrido discriminação racial.Em sua família, há apenas um bisavô afrodescendente. A mãe disse estar ainda surpresa com a atitude do filho.Fora de casa, além das piadinha, Ricardo tem experimentado algumas reações menos humoradas. "Encontrei um amigo negro no dia da inscrição e ele me chamou de cara-de-pau."

Agencia Estado,

16 de abril de 2004 | 16h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.